Serviços prisionais exigem regresso de Navalny à Rússia

Opositor russo está a cumprir uma pena suspensa. Equipa de Navalny diz que é impossível regressar tão cedo.

Foto
Navalny estava em liberdade condicional quando foi envenenado SERGEI ILNITSKY/EPA

Os serviços prisionais russos deram ao opositor do Kremlin Alexei Navalny um dia para regressar ao país, onde devia estar a cumprir uma pena suspensa de prisão.

Na segunda-feira, o Serviço Federal de Prisões disse que Navalny está em violação da pena a que foi condenado em 2014 por corrupção. As autoridades citam um artigo da revista médica Lancet, que diz que os sintomas causados pelo envenenamento deixaram de ter efeitos a 12 de Outubro, para afirmar que não existe justificação para que o político se mantenha fora do país.

“O indivíduo condenado não está a cumprir todas as suas obrigações perante o tribunal, e está a escapar à supervisão da Inspecção Criminal”, diz a carta do serviço de prisões. O período de liberdade condicional de Navalny termina na quarta-feira.

Navalny foi para a Alemanha em Agosto, depois de ter sido envenenado num aeroporto na Sibéria. Os médicos que o trataram concluíram que o principal rosto da oposição ao Presidente Vladimir Putin foi envenenado com recurso ao agente de nervos Novichok, habitualmente utilizado pelos serviços secretos russos.

Vários países europeus acusaram o Estado russo de estar por trás da tentativa de homicídio de Navalny. Recentemente, Putin negou qualquer envolvimento dos serviços secretos e questionou que o seu opositor tenha sido envenenado.

A carta dirigida a Navalny não mencionava uma data específica para o seu regresso, mas o opositor publicou uma mensagem enviada ao seu advogado que dizia que teria de regressar à Rússia até às 9h desta terça-feira (menos três horas em Portugal continental), de acordo com a Al-Jazeera.

Em Outubro, Navalny tinha manifestado o desejo de regressar ao seu país para retomar a sua actividade política.

A porta-voz de Navalny, Kira Iarmish, disse que seria impossível um regresso tão cedo, uma vez que o político continua a recuperar do envenenamento. “Não há qualquer hipótese de ele conseguir aparecer na Inspecção Criminal de Moscovo amanhã [terça-feira]. Mas será que o serviço de prisões está preocupado com o bom senso? Eles receberam uma ordem e estão a cumpri-la”, afirmou.

Navalny tornou-se, nos últimos anos, no principal representante da oposição russa, sobretudo pela denúncia de casos de corrupção a envolver dirigentes próximos de Putin.