Morreu Pierre Cardin, pioneiro do pronto-a-vestir

Oriundo de uma família pobre de agricultores italianos que foram à procura de melhor vida em França, era um dos últimos vultos da alta-costura europeia e uma referência da moda masculina. Fundou a marca com o seu nome no início da década de 1950, morreu esta terça-feira aos 98 anos.

Pierre Cardin tinha 98 anos
Fotogaleria
Pierre Cardin tinha 98 anos Charles Platieu/Reuters
morte,paris,moda,design,italia,franca,
Fotogaleria
LUSA/JENS KALAENE
morte,paris,moda,design,italia,franca,
Fotogaleria
Reuters/Charles Platiau
morte,paris,moda,design,italia,franca,
Fotogaleria
Reuters/Fatih Saribas
,moda
Fotogaleria
Reuters/Charles Platiau
Fotogaleria
LUSA/ADRIAN BRADSHAW

Era um dos últimos vultos da alta-costura europeia, mas foi também o precursor do pronto-a-vestir moderno. Nascido em Itália, numa família pobre de agricultores que emigraram para França, onde cresceu e se tornou designer, Pierre Cardin deixou a sua marca no mundo da moda internacional na sequência de uma carreira de grande sucesso comercial. Morreu esta terça-feira aos 98 anos no hospital americano de Neuilly-sur-Seine, noticia o Le Figaro

Pietro Costante Cardini, assim era o seu nome de baptismo, nasceu em 1922, em San Biagio di Callalta, Itália. Começou por estudar arquitectura, mas foi no mundo da moda que deu largas à sua imaginação. Na adolescência, aos 14 anos, dera os primeiros passos no ofício numa alfaiataria em Saint-Étienne. Já em Paris, viria a trabalhar em 1944 com Madame Paquin — onde desenhou os figurinos e as máscaras do filme A Bela e a Fera (1946), de Jean Cocteau —​, passaria depois pelo atelier da italiana Elsa Schiaparelli e tornar-se-ia chefe do atelier dos alfaiates de Christian Dior, em 1947 . Três anos mais tarde, após ter sido recusado pela casa Balenciaga, criava a marca com o seu nome, Pierre Cardin, revolucionando o mundo da moda com a sua criatividade, a sua inovação e o seu espírito empreendedor.

Pierre Cardin transformou irreversivelmente a alta-costura com as suas silhuetas direitas e os seus desenhos circulares, com formas esculturais, novos tecidos, cores vivas e peles falsas — que, à época, se tornaram motivo de escândalo. “Meias coloridas, disseram-me que eram vulgares; cortar vison, disseram-me que era horrível; botas de cano alto, no início ninguém queria usá-las...”, resumiu certa vez o designer, para mostrar como estava à frente do seu tempo, recorda o Le Monde

Pierre Cardin posa em frente das suas primeiras criações de moda, de 1951-1952, no seu museu chamado "Past-Present-Future", em Paris, a 12 de Novembro de 2014. O museu abriu no dia seguinte e reúne os feitos da sua carreira e a paixão criativa do designer REUTERS/Charles Platiau
Uma mostra das criações de moda de Pierre Cardin no seu museu "Past-Present-Future", em Paris REUTERS/Charles Platiau
O museu inclui cerca de 200 peças de alta-costura, assim como diversos acessórios de luxo: sapatos, peças de joalharia e mobiliário REUTERS/Charles Platiau
Criações dos anos de 1954, 1956 e 1957 que transmitem a intemporalidade dos desenhos de Pierre Cardin REUTERS/Charles Platiau
O museu, inaugurado em 2014, reflecte a alma criativa do designer francês REUTERS/Charles Platiau
Pierre Cardin fundou a sua casa de moda em 1950 REUTERS/Charles Platiau
Uma criação de Pierre Cardin da sua colecção de moda masculina Primavera/Verão 2007 REUTERS/Emmanuel Fradin
Pierre Cardin, numa entrevista com a Reuters, em Paris, a 13 de Outubro de 2009, antes de ser nomeado Embaixador da Boa Vontade para a Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO) REUTERS/Benoit Tessier
Criações de Pierre Cardin da colecção do desfile Four Seasons na Cidade do México, a 23 de Novembro de 2005 REUTERS/Henry Romero
Uma proposta de Pierre Cardin revelada em Instambul, Turquia, em 2006 REUTERS/Fatih Saribas
No Ciragan Palace, em Istambul, Turquia, em 2006 REUTERS/Fatih Saribas
A colecção de pronto-a-vestir de Pierre Cardin para a Primavera/Verão de 2009 REUTERS/Eric Gaillard
Em Fevereiro de 2020, Pierre Cardin, na altura com 97 anos, ao lado do criador Pierre Courtial, do sobrinho Rodrigo Basilicati e da antiga modelo Maryse Gaspard REUTERS/Charles Platiau
Pierre Cardin no seu estúdio, em Fevereiro de 2020 REUTERS/Charles Platiau
Em 2014, Pierre Cardin posa à frente do museu que guarda a sua obra REUTERS/Charles Platiau
Fotogaleria

Pierre Cardin, nascido em Itália, mas naturalizado francês, morreu aos 98 anos, deixando um valioso legado no mundo da moda – e da arte.

Reuters

Pioneiro, foi o primeiro criador de moda a desenhar uma colecção masculina, em 1960 — à falta de modelos, recrutou centenas de estudantes universitários para desfilarem. E foi também um dos primeiros a pensar no conceito de moda unissexo, assim como na própria ideia de pronto-a-vestir. Fez uma primeira colecção para mulher em 1959 e, três anos depois desenhou outra para ser vendida nos armazéns Printemps — mais uma vez, causando escândalo. A ousadia valeu-lhe a expulsão da Chambre Syndicale de la Haute Couture, a confederação dos criadores de alta-costura, que o readmitiu em 1966, tendo mais tarde chegado à presidência daquela estrutura. “Eu era um dissidente, um provocador, um aventureiro. Christian Dior queria fazer os vestidos que a sua mãe gostaria de usar, eu queria explorar novos caminhos, os do espaço, da ciência, do infinito”, cita-o o diário Le Figaro.

No pós-guerra, Pierre Cardin, André Courrèges (1923-2016) e Paco Rabanne (1934) encarnavam a “tríplice aliança” da moda francesa futurista. Não se inspiravam no que viam nos livros de História, mas nas ideias que tinham sobre o futuro. “Sempre tive a minha cabeça no futuro, sempre criei para os jovens”, declarou o homem que usou tecidos como o vinil e fez desenhos geométricos inspirados na conquista do espaço. O seu trabalho ficaria marcado pelas cores e pelos padrões pop. “A minha abordagem é como a de um escultor: primeiro crio formas e tento encaixar o corpo nelas”, explicava, citado pelo Le Monde.

Ao longo da sua vida, porém, não foi propriamente admirado pelos seus pares, que o acusavam de vulgarizar a alta-costura e de desvalorizar o luxo. Em 1992, quando foi eleito para a Academia de Belas Artes, nenhum outro designer à excepção de Jean Paul Gaultier compareceu à cerimónia. Pierre Cardin interpretou as ausências como um “ciúme de admiração”. 

De criador a empresário

Ao longo da sua carreira, Pierre Cardin desenhou figurinos para teatro e guarda-roupas para cinema — uma das suas musas foi a actriz Jeanne Moreau, com quem terá tido um caso que durou quatro anos; vestiu não só a alta sociedade francesa, o jet set, mas também as celebridades, de músicos (como os Beatles) a actores. Mais do que a democratização da moda, Pierre Cardin anteviu a morte da alta-costura e, por isso, desenhava a pensar em todo o tipo de clientes. “Para criar roupas que vistam tanto a duquesa de Windsor como as porteiras”, terá dito, segundo o Le Figaro

Não teve medo, também, de se aventurar noutros mercados que não o europeu. Chegou à China em 1978 e abriu um showroom em Pequim em 1981 — em 2018 fez uma enorme passagem de modelos, para assinalar os seus 40 anos naquele país, com a Muralha da China como cenário. Em 1986 desfilou na Praça Vermelha, em Moscovo, no ano seguinte abriu uma loja na mesma cidade. A última loja de luxo que inaugurou foi em 2017, em Paris, na Rue Royale.

Em Setembro — por ocasião do lançamento do documentário House of Cardin, dos norte-americanos P. David Ebersole e Todd Hugues, foi considerado o último nome da moda do século XX ainda vivo —, Pierre Cardin deu uma entrevista ao Le Figaro em que declarou: “Sou o único nome livre na moda. Desde a década de 1950, permaneço como Pierre Cardin de A a Z. Todos os outros estão mortos ou [as suas casas] passaram para outras mãos.” Nas últimas décadas, muitas das grandes marcas de luxo foram compradas e fazem parte de conglomerados como a LVMH ou a Kering, por exemplo.

Afinal, Pierre Cardin conseguiu manter um negócio que se expandiu para outras áreas — também nisso foi um pioneiro, pois fê-lo muito antes de marcas como a Gucci ou a Calvin Klein —, pondo o seu carimbo em linhas de mobiliário, decoração, acessórios, roupa de cama e de mesa, perfumes e alimentação, e tornando-se assim uma marca global. A Reuters recorda que o artista disse que não se incomodaria de ver as suas iniciais, PC, gravadas em rolos de papel higiénico. “Tive o bom senso de fazer marketing com o meu nome”, disse ao jornal alemão Süddeutsche Zeitung em 2007. “O dinheiro estraga as ideias de uma pessoa? Não sonho com dinheiro, mas enquanto sonho estou a ganhar dinheiro”, acrescentou.

Certo é que construiu um império, pois dedicou-se ainda ao investimento imobiliário. Na década de 1970 comprou o Théâtre des Ambassadeurs, a que chamou Espace Pierre Cardin (a concessão daquele espaço onde manifestava o seu amor pelas artes através de exposições e concertos terminou em 2016); depois o famoso restaurante Maxim's (abrindo com o mesmo nome em Pequim, Nova Iorque e Rio de Janeiro); o castelo do Marquês de Sade, em Lacoste, onde organizava um festival de teatro todos os Verões; e o palácio Casanova, em Veneza.

Segundo o Le Figaro, Pierre Cardin detinha à data da sua morte mais de 850 licenças de produtos e 500 fábricas, empregando cerca de 200 mil pessoas directa ou indirectamente em todo o mundo. Orgulhou-se sempre do seu percurso feito a pulso de filho de migrantes pobres (eram sete irmãos) que singrou num mundo de luxo e esplendor. Em 2017, para uma exposição sobre a imigração italiana no Museu da Imigração, em Paris, intitulada Ciao Italia! — que contemplava outros famosos como os actores Yves Montand (1921-1991) ou Serge Reggiani (1922-2004) , o criador declarou: “Eu sou o meu maior sucesso. Sou uma criança do subúrbio e tornei-me Pierre Cardin. Se tivesse de recomeçar, voltaria a fazê-lo com muito entusiasmo.”

Sugerir correcção
Ler 1 comentários