Prepare-se para uma passagem de ano com frio, chuva e neve

Até ao final do ano, a temperatura máxima não deverá ultrapassar os 15ºC em praticamente todo o território continental. Acção conjunta de um anticiclone e da depressão Bella irá transportar uma massa de ar frio para Portugal.

Foto
A intensificação do vento irá provocar um aumento do desconforto térmico” Paulo Pimenta

O tempo frio veio para ficar pelo menos até ao início do próximo ano, de acordo com as previsões meteorológicas que apontam para uma passagem a 2021 com temperaturas baixas, chuva e neve.

A acção conjunta de um anticiclone localizado a noroeste do arquipélago dos Açores e da depressão Bella (nome dado pelo Serviço Meteorológico Britânico), que se irá deslocar para a região da Escandinávia, passando pelo Norte de França, “originará um fluxo de norte, que transportará uma massa de ar frio” sobre o território de Portugal continental durante os próximos dias, “esperando-se a continuação do tempo frio pelo menos até ao próximo dia 1 de Janeiro de 2021”, refere o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA), em comunicado divulgado esta segunda-feira.

A nota acrescenta que “a temperatura máxima não deverá ultrapassar os 15ºC em praticamente todo o território até ao final do ano”. Na Beira Baixa, Beira Alta, Trás-os-Montes e Alto Douro a temperatura máxima deverá variar entre os três e os dez graus Celsius e a mínima entre os quatro e um graus negativos. Já nas regiões mais próximas do litoral, as mínimas deverão rondar entre os três e os nove graus.

Entre esta segunda e quinta-feira, dia 31 de Dezembro, estão também previstos aguaceiros, com queda de neve “de um modo geral acima de 800/1000 metros de altitude, variando a cota ao longo da semana nas serras do Norte e Centro, com a passagem de nova superfície frontal fria no final de dia 30 e início de dia 31”.

As previsões do IPMA apontam ainda para “a formação de gelo ou geada em especial nas regiões do interior e neblina ou nevoeiro matinal”. Quanto ao vento, “soprará moderado do quadrante oeste, tornando-se do quadrante norte ao longo da semana, por vezes forte com rajadas até 70 km/h, tal que a intensificação do vento irá provocar um aumento do desconforto térmico”.

A agitação marítima irá manter-se “forte” até esta terça-feira na costa ocidental, especialmente a norte do cabo Raso, com ondas de até sete metros.