Sporting resistiu aos erros e somou nova vitória

Os “leões” sentiram dificuldades defensivas na primeira parte contra o Belenenses SAD, mas garantiram uma vitória no Jamor (2-1) que segura a liderança sportinguista na I Liga.

Foto
LUSA/MANUEL DE ALMEIDA

O jogo esteve longe de ser dos mais competentes do Sporting esta época, mas, mesmo com vários erros defensivos na primeira parte, os “leões” somaram nova vitória e seguraram a liderança na I Liga por mais uma jornada. No Jamor, contra um Belenenses SAD que esteve a bom nível durante 45 minutos, Tiago Tomás e João Mário fizeram os golos do triunfo (2-1) sportinguista.

O currículo das equipas na I Liga fazia antever um jogo com pouco golos, mas Petit e Rúben Amorim mexeram de forma significativa nas suas opções habituais e o resultado foi um duelo anárquico q.b na primeira parte, período onde as duas equipas revelaram facetas pouco habituais.

Sem Feddal, lesionado, Amorim não surpreendeu na escolha para completar o trio mais recuado (Gonçalo Inácio juntou-se a Coates e Neto), mas no ataque houve novidades: Sporar e Nuno Santos foram suplentes, entrando Tabata e Tiago Tomás para os seus lugares.

E as escolhas do técnico “leonino” precisaram de cinco minutos para justificar a titularidade: Tabata furou bem pela esquerda e assistiu Tomás, que, com um movimento à ponta de lança, rodou e rematou para o fundo da baliza de Kritciuk.

Perante uma equipa com cinco golos marcados em dez jornadas, uma vantagem no quinto minuto parecia ser o ponto de partida para uma vitória tranquila. Porém, o Belenenses SAD revelou-se mais perigoso a atacar do que tem sido regra, enquanto o Sporting mostrou debilidades defensivas que vão dar que pensar a Amorim.

Sem acusar o golo sofrido, os “azuis” procuravam pressionar constantemente a defesa rival e, aos 14’, com felicidade, empataram: um remate de Miguel Cardoso desviou em Inácio e impossibilitou a defesa de Adán.

Com o Sporting em dificuldades, o Belenenses SAD não baixou o ritmo e, dois minutos depois, beneficiou de uma grande penalidade, após um lance dividido entre Adán e Miguel Cardoso que o árbitro considerou faltoso por parte do guarda-redes. No entanto, na cobrança do penálti, o espanhol travou o remate do português.

Da iminência de ficar em desvantagem, o Sporting não demorou a colocar-se novamente na frente. Menos de cinco minutos depois, Tomás foi derrubado na área e João Mário, com classe, não falhou.

O Sporting respirava de alívio, mas até ao intervalo Amorim não teve um minuto de descanso: com falhas constantes na defesa dos “leões”, o Belenenses SAD beneficiou de oportunidades para voltar a marcar, mas Adán e alguma fortuna seguraram a vantagem sportinguista.

Sem alterações ao intervalo, o jogo recomeçou com nova oportunidade “azul” criada por Varela, mas o Sporting trazia instruções para baixar o ritmo e foi isso que aconteceu. Mesmo com Pedro Gonçalves uns furos abaixo do que tem sido habitual, de forma inteligente os “leões” geriram a bola com mais prudência e, sem a bola, a equipa de Petit perdeu clarividência.

Com o Belenenses SAD menos perigoso e o Sporting pouco interessado em correr riscos, a qualidade do jogo caiu a pique e, aos 77’, Tomás Ribeiro hipotecou as esperanças da sua equipa: um par de minutos depois de ver o amarelo, o jovem defesa meteu o braço à bola numa situação inofensiva e foi expulso.

Mesmo em inferioridade numérica e menos ofensivo, o Belenenses SAD ainda colocou a bola no fundo da baliza de Adán, mas o lance foi (bem) invalidado por fora de jogo. Apesar da exibição menos conseguida, o presente (três pontos) que Amorim tinha pedido estava garantido.