Importa saber se alguém é menino ou menina?

A reflexão sobre identidade de género anda a cansar muitos de nós. Sobretudo os que não têm dúvidas e nela se sentem confortáveis. É injusto.

criancas,lingua-portuguesa,natal,miudos,educacao,livros,
Fotogaleria
Joana Estrela
criancas,lingua-portuguesa,natal,miudos,educacao,livros,
Fotogaleria
Joana Estrela
criancas,lingua-portuguesa,natal,miudos,educacao,livros,
Fotogaleria
Joana Estrela
criancas,lingua-portuguesa,natal,miudos,educacao,livros,
Fotogaleria
Joana Estrela
letra-pequena,literatura-infantil,ilustracao,lingua-portuguesa,educacao,livros,
Fotogaleria
Joana Estrela

“Menino ou menina?”; “traquina ou traquina?”; “azul ou rosa?”; “guloso ou gulosa?” Parecem perguntas inocentes. Até seriam se não provocassem tantos constrangimentos e impedimentos. Para eles e para elas.

Este livro nasceu assim, conta a autora, Joana Estrela, no site da editora que a publica: “Acho que me lembrei de fazer este livro porque tinha estado a preparar uma apresentação em que mostrava duas fotos minhas de quando era criança.”

Numa, aparece de cabelo curto, de calças e a brincar com um carro amarelo; noutra, tem cabelos compridos, óculos cor-de-rosa e uma boneca ao colo. Para não falar de uma espécie de laçarote na cabeça.

“Achei que, se eu não dissesse a ninguém que sou eu nas duas fotos, a maior parte das pessoas ia pensar que é a foto de um menino e de uma menina. E eu não quero dizer que isso seja errado. Todos nós tiramos conclusões rápidas à primeira vista. Eu também faço isso. Acho que é normal olhar e pensar calças+carro=menino e boneca+saia=menina. Mas também acho que é importante questionarmos porque é que pensamos assim. E lembrarmo-nos de duvidar dessas primeiras impressões, e dizermos para nós próprios: ok, aquela criança tem calças e cabelo curto e está a brincar com um carro, por isso se calhar é um rapaz, mas pode muito bem nem ser.”

Foto
Joana Estrela

Este pensamento levou a outro: “Será que é importante saber se alguém é um menino ou uma menina?” Para concluir: “Na minha opinião, não é lá muito necessário.”

O livro parece convidar os mais novos à observação e os mais velhos à compreensão. A todos, um apelo à aceitação.

Foto
Joana Estrela

Inicialmente pensado para ser editado em espanhol, Menina, Menino beneficiou da ignorância de Joana Estrela naquela língua: “O facto de ter escrito em espanhol ajudou a tornar o livro muito simples. Isto porque eu não sei falar espanhol nada bem, e então tinha de simplificar!” O resultado foi bom. “Ajudou a tornar o livro muito simples”, diz a ilustradora, nascida em Penafiel, em 1990.

Fala-nos em identidades múltiplas, pergunta-nos quem é o quê e tira algumas conclusões: “O segredo não está nos olhos de quem vê”; “Pois caras vemos, o resto não sabemos”; “Homem, mulher, cada um o que quiser”.

Tecnicamente, conta que “os desenhos foram surgindo aos pouquinhos, com o texto” e que fez rascunhos com canetas de feltro. “Depois, percebi que gostava mais de lápis de cera.” Assim ficou.

Foto
Joana Estrela

Joana Estrela estudou Design de Comunicação na Faculdade de Belas-Artes do Porto (2012), passou por Budapeste e Vilnius, e voltou ao Porto, onde trabalha em ilustração e banda desenhada. Em 2014, a Plana publicou o seu primeiro livro, Propaganda, e, em 2016, o Planeta Tangerina publicou Mana, obra vencedora do I Prémio Internacional de Serpa para Álbum Ilustrado. Nesse ano, ganhou também o prémio para Melhor Ilustração de Livro Infantil (autor português) no Amadora BD. Teve ainda uma menção no Prémio Nacional de Ilustração de 2018.

Para ela, como para outros, fica a moral final do livro: “Só tu te conheces melhor que ninguém… e segues o caminho que mais te convém.”

Menino, Menina é dedicado ao filho de uma prima da autora, o pequeno Lucas: “É o mais novo da minha família e, como está quase a aprender a ler, achei que ia gostar de ter um livro dedicado a ele!” Tê-lo-á recebido neste Natal. Esperemos que tenha gostado. Como nós.

Blogue Letra pequena