A Chamuçaria: Uma história (de chamuças) às cores e com três lados

Shahid Merali abriu, em Lisboa, A Chamuçaria para valorizar uma especialidade com a qual cresceu e que pode ser muito mais variada do que se imagina. Aqui há até chamuças de peixe e outras doces, com chocolate picante.

Foto
As chamuças da Chamuçaria são coloridas com corantes naturais dr

Se o rissol de camarão, o pastel de bacalhau ou os croquetes podem saltar do estatuto de petisco para o de prato principal, acompanhados por um bom arroz, por que razão não podemos fazer o mesmo com a chamuça? Foi o que pensou Shahid Merali, que com A Chamuçaria quis fazer de uma das especialidades que sempre acompanharam a vida da sua família um prato com mais declinações do que imaginávamos possível.

“A chamuça tem uma vantagem”, sublinha. “Permite-nos fazer muito mais recheios e sabores do que um pastel de bacalhau.” É isso que quer provar com este projecto, onde encontramos chamuças de diferentes cores (todos os corantes são naturais) e com diferentes recheios, desde a de choco e lulas à de cabrito, passando pelas clássicas como a de frango, a de frango picante ou a de vegetais, mas também pelas chamuças de sobremesa como a de chocolate negro picante, a de creme de maçã ou a cremosa do chef.

“Uma das coisas que sempre me fez impressão quando era miúdo”, explica Shahid, “era ter na mesa dois tipos de chamuça e não saber qual era o recheio, daí esta ideia das cores”. Aqui tem ainda a de lentilhas amarelas, a de batata picante, a de camarão e a de peixe. Todos os recheios são feitos de raiz e a opção foi não usar nem carne de porco nem de vaca.

Foto
Há três chamuças doces, uma delas de chocolate negro picante dr

É num espaço pequeno mas muito colorido no bairro de Telheiras, em Lisboa, que desde Julho passado encontramos A Chamuçaria, actualmente dedicada em exclusivo ao take-away e delivery porque a pandemia de covid-19 não permite tirar partido da mesa comum, pensada para juntar vários comensais.

Pode-se, portanto, levar para casa as nove variedades de chamuças salgadas e as três doces, além dos três acompanhamentos à escolha: arroz (com três opções de molho, o de caril, o de lentilhas amarelas e o de leite de coco), chips de batata, batata-doce e mandioca, com especiarias, e salada. Tudo a ser temperado, para quem gostar de sabores mais intensos: existe o picante vermelho, feito com malagueta vermelha, e o verde, de malagueta verde e coentros, e ainda o achar de limão e o de manga e um tempero de tamarindo, que “faz uma ligação muito especial” com algumas das chamuças.

“Não sei se reparou, mas é tudo muito à base do número três”, chama a atenção Shahid Merali. Sim, já tínhamos reparado logo à entrada quando somos recebidos pela frase “três lados de uma história”. E há de facto três lados nesta história familiar que começa no Norte da Índia, onde nasceram os avós, passa por Moçambique, onde já nasceram os pais, e chega a Portugal, onde nasceu, em Setúbal, Shahid, que pertence à comunidade ismaelita portuguesa. A própria chamuça é um triângulo, que terá a sua origem mais antiga na Pérsia, tornando-se depois a samõsa, um dos petiscos mais populares em certas partes da Índia.

Foto
Shahid Merali dr

Shahid cresceu com as chamuças como parte integrante da cultura alimentar da sua casa (uma das tradições da família, revela, é pôr duas a três gotas de limão depois de dar a primeira dentada, por isso no restaurante elas vêm com um limão). Aliás, no centro deste projecto está a mãe, Rosy Daia, a referência para as receitas tradicionais de chamuças que aqui são apresentadas – “todas as que são fora da caixa foram criadas por mim”, sublinha.

Outro detalhe que é algo que, segundo Shahid, “só se come em casa das pessoas que fazem chamuças” são as tiras, aqui também muito coloridas, feitas com a massa que sobra do processo de fabrico das chamuças. “Normalmente a massa é redonda e depois é cortada no formato para se poder dobrar a chamuça” em forma de envelope. “As minhas avós pegavam nisso e fritavam, punham sal, especiarias e ficava um petisco” – daí resultam estas viciantes tirinhas chamadas kurkuriya.

Mas não se pense que fazer uma chamuça é fácil. O processo é elaborado e exige técnica: a massa é de água e farinha, as bolinhas são espalmadas de forma redonda, depois agrupadas de sete a sete, sendo por fim esticadas antes de serem assadas no fogão, de um lado e do outro, sendo cada folha retirada quando está pronta. Cortadas num tipo de rectângulo, são finalmente dobradas – “existem umas dez formas diferentes de as dobrar”, afirma Shahid, “nós usamos a que as minhas avós usavam e que a minha mãe aprendeu” – e recheadas. Bastante mais fácil é comê-las – e A Chamuçaria é o sítio certo para isso. É seguir as cores e decidir qual é a preferida.