Mais de 23 mil testes à covid-19 feitos num dia. Portugueses quiseram garantir um Natal “com mais segurança”

A procura por um teste à covid-19 tem sido muita. As amostras colhidas em alguns laboratórios nesta quarta-feira representam quase 50% das processadas no dia com mais testes desde o início da pandemia. Especialistas e autoridades dizem, no entanto, que um teste negativo não significa que se descurem as restantes medidas.

Foto
Daniel Rocha

Fernando Durães não quis arriscar. Chegou há pouco mais de dez dias da Hungria e como esteve em vários aviões e aeroportos decidiu, na terça-feira, ir a uma farmácia fazer um teste antigénio de resposta rápida à covid-19. “Como os meus pais e a minha irmã já tinham tido [covid-19], o único perigo era o meu avô. E como não queríamos que ele passasse o Natal sozinho decidi fazer o teste”, conta o estudante de doutoramento.

O caso de Filipa Vieira foi semelhante, mas a estratégia foi alargada a toda a família e planeada de antecedência. A professora universitária fez um teste de antigénio no drive-thru da Unilabs, no Porto. E o resto da família, num total de cinco agregados familiares, concordou em fazer mesmo. “Por mais cuidados que tivéssemos há sempre risco, principalmente para os avós. Fizemos todos testes para diminuir a imprevisibilidade do vírus, mesmo sabendo que os rápidos têm uma sensibilidade menor. Mantemos as máscaras e tudo o resto, mas sentimos que seria mais uma medida para ajudar”.

Também para Sofia Brandão foi uma questão de “prevenção”. A investigadora da Universidade do Porto (UP) fez dois testes na última semana: um PCR, no sábado, e um rápido de anticorpos, esta quarta-feira. Este último foi marcado através da universidade. Sofia e o marido, também investigador na UP, escolheram fazer esse teste no dia 23, já com o Natal debaixo de olho. “Há sempre mais certeza, embora saibamos que estes testes são mais para pessoas que já tenham a doença há mais tempo. Queríamos ter mais segurança no nosso Natal porque vamos ter alguns familiares idosos à mesa”, apontou.

Fernando, Filipa e Sofia não são os únicos a recorrer a esta estratégia para passarem estes dias com a família ou amigos mais próximos, como já tinha constatado o PÚBLICO há duas semanas, quando a procura por marcações começou a aumentar. De acordo com os números fornecidos pelas maiores redes de laboratórios do país e pela Cruz Vermelha Portuguesa (CVP), mais de 23 mil portugueses foram testados esta quarta-feira à covid-19, número que inclui testes PCR e testes rápidos.

Foto
Drive-thru para testes à covid-19 no Porto MANUEL ROBERTO

Este valor ganha ainda mais peso se o compararmos com o dia com mais testes processados em Portugal desde o início da pandemia que, de acordo com a Direcção-Geral da Saúde (DGS), foi a 13 de Novembro: foram testadas cerca de 49 mil pessoas em todo o país. Nos 23 mil testes realizados esta quarta-feira não se incluem números de outros laboratórios — alguns dos quais não responderam ao pedido de resposta — nem das farmácias, que também realizam testes rápidos. Significa isto que este número pode ter sido ainda mais elevado. O último dia em que a DGS disponibilizou estes dados foi esta segunda-feira, quando foram colhidas mais de 37 mil amostras.

Na Unilabs, que tem dezenas de laboratórios espalhados pelo país, mais de 7500 portugueses fizeram teste à covid-19 (PCR ou de antigénio) nesta quarta-feira. “Preparamo-nos para conseguir assegurar que os testes eram feitos, dado o acréscimo significativo da procura para os dias 21, 22 e 23. Percebemos que este aumento ultrapassa a área da saúde pública e marcações para viagens. As pessoas perguntavam sempre se receberiam resultados durante o dia de Natal, antes da ceia”, diz Luís Menezes, presidente da Unilabs.

Os portugueses procuraram sobretudo testes PCR (90%) e menos testes de antigénio (10%), o que para Luís Menezes significa que quem procurou ser testado percebe que os segundos são menos eficazes e que só devem ser usados em determinado contexto, como em pessoas com sintomas da doença, caso contrário, como explica, “podem dar uma falsa sensação de segurança”. “Segunda e terça fizemos seis mil testes e na quarta fizemos entre 7500 e 8 mil. Estes métodos são sempre uma salvaguarda, mas o que fazemos sempre é explicar que se devem manter todas as medidas aconselhadas pelas autoridades de saúde”, aponta, acrescentando que a rede consegue fazer até 15 mil testes por dia e que pelo menos 5 a 6 mil são reservados por precaução.

O gestor do Programa Especial de Testes Covid-19 da Cruz Vermelha Portuguesa (CVP), Gonçalo Órfão, adianta, por sua vez, que se fizeram esta quarta-feira 4473 mil testes PCR e rápidos. Para esta quinta-feira, dia 24, já há mais de duas mil marcações, uma vez que muitos postos ainda funcionam até às 15h. “Tivemos marcações muito precoces e também procuramos assegurar que havia linhas de reserva e reforços no fim-de-semana. Há sempre pessoas que têm de fazer testes, não por questões de rastreio, mas por situações de saúde pública. As vagas que abrimos foram a pensar nessas situações”, diz o médico, que acrescenta que nos últimos 15 dias os números de pedidos têm estado sempre a subir e que os postos mais concorridos são os de Lisboa (para testes PCR e rápidos) e os do Porto, Coimbra, Maia e Braga exclusivamente para testes rápidos.

Marcações dispararam no início do mês

Os pedidos de marcação começaram a aumentar a nível nacional no início do mês, com a confirmação do primeiro-ministro de que as medidas para conter a propagação da covid-19 seriam menos restritas no período de Natal. "Temos marcações para antes e depois do Natal. As pessoas começaram a marcar os testes muito cedo, até porque não sabiam que medidas seriam aplicadas nesta altura. Preferiram antecipar”, refere Laura Brum, directora médica da Synlab, rede de laboratórios que esta quarta-feira fez mais de 4 mil testes, incluindo PCR e testes rápidos.

A responsável afirma que quem faz os testes são sobretudo pessoas que vão viajar e/ou passar o Natal em família — e diz que há mais procura por soluções com maior fiabilidade. “Apesar de disponibilizarmos os testes rápidos de antigénio, continuamos a acreditar na maior segurança atribuída aos de PCR”.

Nos centros Germano de Sousa, uma das maiores redes de laboratórios do país, deu-se um aumento de 20% da procura só nos últimos dois dias. Até ao fim da tarde de quarta-feira tinham sido feitos cerca de 6200 testes, mas, em resposta ao PÚBLICO o médico patologista fundador da rede realça que os centros principais só fecham pelas 21h. "Os testes de antigénio são relativamente poucos. Por dia não ultrapassam em média 3,5% do total de testes realizados”, diz, acrescentando que não tem havido necessidade de marcação antecipada. “Recebemos todos [os cidadãos] que chegam. Em Lisboa, por exemplo, temos nove recepções abertas atendendo de cada vez ao mesmo tempo nove pessoas”.

Foto
DANIEL ROCHA

Testes não são “passaporte de negatividade”

As associações dos analistas e dos laboratórios clínicos alertaram esta quarta-feira, em declarações à agência Lusa, que os testes à covid-19 não são “um passaporte de negatividade” e apelam à responsabilidade social no Natal, lembrando que “os testes são bons”, mas só se realizados no contexto correcto. 

Opinião que é, aliás, partilhada por Ricardo Mexia, especialista em saúde pública. “Atendendo ao número de pessoas que está a fazer teste agora é importante que tenhamos a noção que se tiverem um resultados positivo não devem ter contacto com outras pessoas, devem resguardar-se, e se tiverem um teste negativo nada muda, devem manter medidas como a etiqueta respiratória, distanciamento e utilização da máscara. O resultado negativo não isenta outros cuidados”, diz, admitindo que a testagem pode ajudar a reduzir o risco de uma exposição numa altura de reuniões familiares.

Em Novembro, a directora-geral da Saúde já tinha dito que os cidadãos não devem tomar a iniciativa própria de realizarem o teste para a despistagem da covid-19 e que este deve ser feito apenas com a prescrição médica. De acordo com Graça Freitas, os testes são pedidos e aconselhados pelas autoridades de saúde “sempre que necessário”, sendo que quando os cidadãos tomam a iniciativa própria de se testarem acabam por entupir os laboratórios e adiar os resultados de testes. Além disso, os testes de antigénio, em particular, só devem ser usados em situações específicas, em que os testes PCR não estejam disponíveis, por exemplo.