Brentford faz história; Man. City afunda o Arsenal

Josh Dasilva, médio inglês de 22 anos, de ascendência angolana, foi o herói do dia no Brentford, dando o triunfo a uma “equipa do mundo”.

Foto
Jogadores do Brentford celebram em Inglaterra Reuters/HANNAH MCKAY

Cinco participações na Liga inglesa. Zero títulos na Taça de Inglaterra. Zero títulos na Taça da Liga. Na verdade, o Brentford nunca tinha chegado sequer a uma meia-final de uma taça. Mas isso mudou.

Nesta terça-feira, o clube fundado em 1889 eliminou o Newcastle na Taça da Liga e chegou à meia-final da prova. Mas o heroísmo da equipa do segundo escalão inglês não fica por aqui.

Depois de Southampton, West Bromwich e Fulham, o Newcastle foi a quarta equipa do primeiro escalão a cair aos pés do Brentford, que encarnou na perfeição o conceito de tomba-gigantes.

Josh Dasilva, médio inglês de 22 anos, de ascendência angolana, foi o herói do dia, com o golo marcado aos 66’, dando o triunfo a uma “equipa do mundo”: no “onze” titular, o Brentford tinha jogadores de sete nacionalidades diferentes – Inglaterra, Espanha, Dinamarca, Finlândia, Gana, Irão e Alemanha.

Arsenal afunda-se

No outro jogo do dia na Taça da Liga, o Manchester City agudizou o mau momento do Arsenal, com um triunfo por 1-4, em Londres.

O adversário do Benfica na Liga Europa venceu apenas três dos últimos onze jogos, sempre na prova europeia, e já não festeja um triunfo em competições internas desde 1 de Novembro, na vitória frente ao Manchester United.

Contexto que pressiona cada vez mais o treinador Mikel Arteta, longe de estar confortável na cadeira técnica do Arsenal.

Nesta terça-feira, o Man. City saiu logo na frente, com um golo de Gabriel Jesus, aos 3’ (erro do guardião Runarsson). Lacazette empatou aos 31’, mas a segunda parte foi negra para os londrinos: Mahrez marcou aos 54’, com este “frango” tremendo de Runarsson, novamente na berlinda.

Foden, aos 59’, e Laporte, aos 73’, confirmaram o triunfo da equipa de Pep Guardiola, que teve João Cancelo, Rúben Dias e Bernardo Silva no “onze” inicial.