Numa garagem escura, a explosão de Stereoboy tem a luz do “talento escondido” do Porto

O videoclipe de Yip Man, um dos temas no novo álbum de Stereoboy, estreia-se em exclusivo no P3.

À medida que a realidade ficava cada vez mais louca, Kung Fu tocava em loop. O novo álbum de Stereoboy acompanhou o confinamento de Luís Sobreiro e João Parra, desde que Luís Salgado os atiçou: “Curtam aí, durante quarentena. Quando meses depois chegou o convite para realizar o videoclipe de um dos temas, Luís Sobreiro quis pôr uma câmara a vaguear por uma garagem escura, numa sequência única, a 360º. Pelo caminho, mas sempre do mesmo ponto de vista, quatro instalações passam-nos à frente, ao som de Yip Man. O resultado? Na verdade, eu quase sinto que só musiquei aquilo, graceja Salgado. 

Rebobinemos. O vídeo começa com o músico, programador e produtor do Maus Hábitos, no Porto, a acender um cigarro. O que é que tenho de fazer?, perguntou-lhes; Nada, entra só a seres tu, responderam-lhe. Não são precisas muitas voltas para este primeiro gesto contemplativo se agitar e fundir com as outras histórias que a câmara vai desvendando, uma a uma e depois todas ao mesmo tempo.

Sinais dos tempos (ou não). Há um excesso de informação, que, por ser tanta, depois se vai diluindo, quando a velocidade do movimento aumenta”, comenta o realizador. Kung Fu também tem um bocado de 2020: Mesmo que não seja de propósito, há uma certa ansiedade, angústia, raiva. Uma mistura de sentimentos que estamos todos a viver porque estamos há nove meses nisto. Mas tanto o músico como o realizador querem acreditar que há mais ingredientes no cocktail de um ano para esquecer: A quantidade de pessoas que se reuniu e se juntou à ideia. Conheci muita gente que não conhecia do Porto. Dá-me esperança, a cidade tem muita potência escondida no audiovisual”, acredita Luís Sobreiro.

Luís Salgado também não esperava entrar na garagem escura da Casa da Música e encontrar mais de 20 pessoas, artistas e colectivos, a trabalhar juntas, todas elas mencionadas nos créditos do vídeo. “Se calhar enganei-me no sítio”, provocou, ao chegar as filmagens. Toda essa energia, no fim, é muito potente.

Sugerir correcção