Algarve a pedalar: novo guia com 20 percursos cicláveis e uma rota de 223 quilómetros

Por estradas rurais, caminhos de terra ou gravilha compactada: Turismo do Algarve lança guia dedicado ao cicloturismo com percursos circulares pensados para passear. Percursos simples e bonitos e um extra: uma grande travessia pelo barrocal para cruzar toda a região.

Foto
A pedalar pelo Algarve: aqui, Aljezur, Carrapateira DR

Com o clima a ajudar, o Algarve é destino ideal durante o ano inteiro para passeios de bicicleta. Essas “excelentes condições para a prática do ciclismo” são destacadas pelo Turismo do Algarve com o guia agora lançado onde são destacados 20 novos percursos. Quem prefere fazer tudo a pé, ou quiser equilibrar os passeios de bicicleta com as caminhadas, pode seguir para outro guia recentemente lançado e que inclui 51 percursos pedestres.

Foram “desenhados especialmente para os amantes da modalidade que procuram explorar a região de uma forma mais activa”, garante-se na publicação. Os percursos são todos circulares e dificuldade técnica baixa (em geral, alguns têm pontos algo mais exigentes), pensados para fazer em família, com todas as paragens a que se tem direito por pontos naturais, culturais, gastronómicos. E devagarinho, para ter tempo para conversar com quem por aqui vive.

Por “estradas rurais, municipais e caminhos de terra ou gravilha compactada”, os percursos são adequados para “bicicletas de touring ou trekking e em formato de passeio”, tendo sido desenhados “em todos os municípios do Algarve, com início e fim no mesmo local, que permite a visita a vários pontos de interesse turístico em cada concelho”.

Foto
Cacela Velha DR

É escolher praia ou campo por Aljezur a Vila Real de Santo António, passando por Monchique, Vila do Bispo, Lagos, Portimão, Lagoa, Albufeira, Loulé, Faro, Olhão e Tavira, São Marcos da Serra ou São Brás de Alportel, Alcoutim e Castro Marim até Tavira.

Como exemplos, pode fazer-se à serra e pedalar por Monchique, percurso algo mais exigente tendo em conta os sobe-e-desce que seriam de esperar por aqui. Por outro lado, é garantida a beleza natural e muitos momentos a sós. Além de serpentear pela estrada nacional ("tráfego reduzido” com vista para norte do concelho, prepare bem as pernas para subir até à Picota e depois à Fóia. Até ao ponto de chegada, há muito que subir e descer, da Fornalha às Caldas de Monchique (a nossa sugestão é aproveitar para descansar as pernas por aqui). E depois, toca a subir até Monchique, de olhos na Fóia...

Mais perto do mar? Tome por exemplo as rotas de Vila do Bispo. É ir até à praia do Zavial, dar bem ao pedal pelas Hortas do Tabual e até ao parque eólico. Há muita paisagem para ver até ao Cabo de São Vicente. Se quiser regressar de Sagres a Vila do Bispo, pela costa, é só seguir sempre a subir...

Para um interior com muita água, pode experimentar o percurso de Loulé, que começa e acaba na aldeia do Salir, Serra do Caldeirão. Vai passar pelas encostas da Paisagem Protegida Local da Rocha da Pena, Penina e Benafim, admirar os contrastes barrocal-serra, parar na aldeia de Alte e ficar com muitas belezas naturais nos olhos - fixe: Fonte Grande, Fonte Pequena, Queda do Vigário.

Para quem precisa dar mais ao pedal, há a “grande travessia ao longo da zona do barrocal, cruzando toda a região”. Começa em Vila Real de Santo António e acaba em Aljezur: são 223 km e pretende ser “um complemento às rotas já existentes” (EuroVelo 1 ou Ecovia do Litoral do Algarve, Rota Vicentina, Via Algarviana e GR22)

Foto
Por Sagres DR

Os percursos, informa o Turismo do Algarve, foram definidos por “um técnico especializado, tendo em conta critérios como a dificuldade técnica, os pontos de interesse turístico em cada concelho e a sua adequação a bicicletas de touring ou trekking, em formato de passeio”.        

“Com o nosso novo guia pretendemos captar o interesse destes cicloturistas para o Algarve, sobretudo os provenientes do Reino Unido, da Holanda e da Alemanha”, diz, citado em nota de apresentação, o presidente do Turismo do Algarve, João Fernandes. O projecto de edição, parte da aposta da entidade no cicloturismo, integra-se no SustenTUR, “candidatado à Linha de Apoio à Sustentabilidade do Programa Valorizar, do Turismo de Portugal”.

O guia está disponível para download gratuito aqui.