Ministro da Saúde britânico diz que nova estirpe de covid-19 estava “fora do controlo”

Governo justifica endurecimento de medidas, que afectam 16 milhões de pessoas, e avisa que as regras do confinamento podem durar até a população ser vacinada.

Foto
LUSA/FACUNDO ARRIZABALAGA

O ministro da Saúde britânico, Matt Hancock, explicou neste domingo que a nova estirpe do coronavírus que provoca a doença covid-19 estava “fora de controlo”, justificando assim as restrições em Londres e partes do Sul de Inglaterra. Numa entrevista à Sky News, acrescentou que as medidas podem manter-se em vigor “durante alguns meses”, até a vacina ter sido administrada à maior parte da população do Reino Unido.

“Infelizmente, a nova estirpe estava fora de controlo. Tivemos de retomar o controlo e a única maneira de fazer isso era reduzir os contactos sociais”, afirmou o ministro. “Será muito difícil manter o vírus controlado até à vacinação. Pelo que o importante é que as pessoas sigam as regras e que impeçam o vírus de contaminar mais pessoas”.

“É um grande desafio até termos a vacina a proteger as pessoas. Este é o cenário para os próximos meses”, disse Hancock.

O ministro explicou que a nova variante do SARS-Cov-2 tem um potencial infeccioso maior - “pode apanhar-se de uma amostra pequena do vírus”. “Precisamos de aplicar mais medidas com a nova variante do que com a variante anterior. E este é o problema essencial”, disse o ministro para justificar a passagem de Londres e de parte do sudeste da Inglaterra para o nível 4, em que lojas estão fechadas, assim como espaços de lazer, e não será permitido celebrar o Natal fora do agregado familiar (ou estar na rua com mais de uma pessoa).

O confinamento de Londres, do sueste da Inglaterra e também de partes no leste do país, foi anunciado no sábado pelo primeiro-ministro, Boris Johnson. A medida afecta 16 milhões de pessoas que devem permanecer em casa e realizar teletrabalho quando possível.

As primeiras amostras da nova variante foram recolhidas em Novembro no Reino Unido, disse o ministro, sublinhando que desde essa altura se percebeu que o nível de contágio subiu. “Em Novembro, nas áreas onde esta variante começou, em Kent, os casos subiram em relação ao resto do país onde o confinamento [parcial] de Novembro teve efeitos positivos”, disse Hancock

Vários países anunciaram já neste domingo limitações aos voos para e do Reino Unido. Para já, Portugal não impõe qualquer limite.