Chocolate no céu

As regras da Igreja Católica são claras. Se eu não as cumpro, só me resta um caminho. Mudei a minha designação para “uma mulher que acredita em Deus” e livrei-me da brigada dos batedores de mão no peito.

Foto
"A fé, lamento, não é incompatível com a ciência. O que é incompatível com a ciência e com o desenvolvimento de uma sociedade mais humana e justa são os extremismos" Nuno Ferreira Santos

Quando era menina, ninguém fazia publicações sobre o papel dos musgos na protecção dos solos e, por isso, era com uma excitação imensa que acompanhava o meu pai ao campo para apanhar o macio tapete verde onde, horas mais tarde, sempre a 8 de Dezembro, a minha mãe depositava com uma paciência infinita as peças do nosso gigantesco presépio. E, enquanto montava um pequeno estábulo artesanal com palhinhas e cortava papel de alumínio para fazer um rio, ia-me contando a história do nascimento de Jesus. O meu pai, ateu convicto, às vezes resmungava um “estás a encher a cabeça da miúda com histórias da carochinha” que a minha mãe ignorava com uma elegância invejável, enquanto prosseguia a narrativa.