Man. City vence em Southampton em jogo de contornos especiais

Este resultado permite que os “citizens” regressem aos triunfos, depois de dois empates, e talvez por isso a postura da equipa tenha sido diferente do habitual desde que a equipa joga sob a batuta de Guardiola.

Foto
Jogadores do City celebram em Inglaterra Reuters/ADRIAN DENNIS

O Manchester City venceu o Southampton neste sábado, por 0-1, em jogo da ronda 14 da Liga inglesa. Com este triunfo, a equipa de Pep Guardiola sobe à condição aos lugares europeus (quinta posição, com 23 pontos), enquanto o Southampton se mantém logo acima (quarto lugar, com 24).

Este resultado permite que os “citizens” regressem aos triunfos, depois de dois empates, e talvez por isso a postura da equipa tenha sido diferente do habitual desde que a equipa joga sob a batuta de Guardiola.

Na primeira parte, o controlo do jogo foi do Southampton, a posse de bola foi repartida (inédito?) e as aproximações à área adversária até foram em maior número para a equipa da casa do que para a equipa de Manchester.

Os “saints” fizeram oito remates e tiveram vários lances em que só a má definição no último passe impediram remates em melhores condições de sucesso.

No meio deste aparente controlo do Southampton, o City fez o que muitas vezes lhe fazem a si: um golo em contracorrente. Ederson pontapeou forte desde a área do City, aos 16’, e apanhou o Southampton balanceado para o ataque. Kevin De Bruyne fez o cruzamento, Raheem Sterling finalizou na passada, no centro da área.

A partir daqui o City equilibrou um pouco mais a partida – ao intervalo já tinha 58% de posse de bola –, mas o Southampton, mesmo com menos predominância na posse, foi somando mais aproximações à área de Ederson.

Para a segunda parte Pep Guardiola colocou o City a pressionar bem mais alto a construção do Southampton, levando o jogo para o patamar que lhe interessava – o da rápida reacção à perda e do controlo do jogo no meio-campo ofensivo.

Aos 54’ houve uma grande jogada do City que terminou com finalização deficiente de Bernardo Silva, mas esta postura da equipa de Manchester rapidamente foi revertida.

A equipa voltou a dar alguma iniciativa ao Southampton, cuja má definição dos lances, numa primeira fase, e falta de frescura física, mais tarde, impediram uma investida forte pelo empate.

E foi nesta fase que o City somou bons lances de finalização (Mahrez, Bernardo e De Bruyne falharam), aproveitando o desgaste adversário e o espaço que havia para transições.

O Manchester City terminou o jogo a equilibrar as oportunidades de golo (o resultado poderia ter sido mais dilatado), mas sai de Southampton com um triunfo que, em grande parte do jogo, foi construído de forma bem diferente do habitual. Nova ideia de jogo a ser criada em Manchester?