Santa Casa oferece 2500 assinaturas do PÚBLICO a desempregados da pandemia

As assinaturas serão distribuídas através da iniciativa PSolidário e os candidatos podem-se inscrever no programa na página da edição online do PÚBLICO.

Foto
Nelson Garrido

A Santa Casa da Misericórdia de Lisboa associou-se ao PÚBLICO para oferecer 2500 assinaturas digitais do jornal a pessoas que perderam o seu emprego no decorrer da pandemia. As assinaturas serão distribuídas através da iniciativa PSolidário e os candidatos podem-se inscrever no programa na página da edição online do PÚBLICO (https://www.publico.pt/psolidario). Basta para o efeito comunicar o nome, um contacto pessoal, o número de inscrição no Instituto de Emprego e Formação Profissional (IEFP) e a área de actividade profissional. O número de assinaturas é limitado a 2500 e será cumprido por ordem de inscrição.

É a segunda vez que a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa se dedica a acções de solidariedade envolvendo o apoio do PÚBLICO. Já este ano, a instituição lançou um programa de 20 mil assinaturas de vários jornais, cabendo ao PÚBLICO uma quota de 2500 – os outros jornais escolhidos foram o Correio da Manhã, Diário de Notícias, Jornal de Notícias, Expresso, Visão, Observador e o desportivo A Bola. Nesse programa, foram contemplados profissionais da saúde. Neste segundo momento, em causa estão os desempregados. No mês passado, havia 397 mil pessoas inscritas no IEFP à procura de trabalho. Com a pandemia, o número de desempregados aumentou 30% face aos valores registados no período homólogo e há a expectativa que a tendência crescente não esteja para acabar a curto prazo.

Mas para lá da acção de solidariedade, o programa da Santa Casa da Misericórdia de Lisboa tem inscrita na sua ambição o apoio a órgãos de comunicação social, a braços com a crise provocada pela covid – no caso do PÚBLICO, os principais efeitos negativos da pandemia verificam-se na venda da edição impressa. Para a Santa Casa da Misericórdia de Lisboa, “hoje, mais do que nunca, os valores do jornalismo de referência são essenciais. O conhecimento fundamentado dos desafios que temos pela frente é indispensável para superarmos, de forma consciente e eficaz, as extraordinárias dificuldades que os próximos meses nos colocam”.

Neste pressuposto, a acção solidária da Santa Casa através do programa PSolidário pretende evitar que as carências provocadas pelo desemprego impeçam cidadãos de terem acesso à informação que serve para contornar essas dificuldades.