A dança de Jérôme Bel, a arte de António Bolota e a memória de Bruno Candé no 2021 da Culturgest

Concertos de Bruno Pernadas ou Joana Guerra, as memórias coloniais do Teatro Griot e Vera Mantero são outros dos destaques da programação prevista para Janeiro a Abril do próximo ano.

Foto
The Show Must Go On, de Jérôme Bel, regressa a Lisboa 20 anos depois

De Janeiro a Abril do próximo ano, a Culturgest, em Lisboa, volta a cruzar temas, áreas de programação e protagonistas. Haverá uma aposta forte na dança com a celebração dos 20 anos de The Show Must Go On, de Jérôme Bel, mas também o regresso às memórias coloniais com o Teatro Griot, uma exposição antológica de António Bolota ou o concerto de apresentação do novo álbum de Bruno Pernadas.

Haverá também a memória, ainda fresca, de Bruno Candé, o actor que no Verão foi vítima de um assassinato com contornos racistas em plena rua, numa homenagem a cargo de Mónica Calle e da Casa Conveniente, a companhia que integrava. O trabalho chama-se O Escuro Que Te Ilumina, e será apresentado de 3 a 7 de Março, num anfiteatro ao ar livre. Será a continuação do trabalho iniciado com o muito celebrado Ensaio Para Uma Cartografia, onde a palavra desaparecia para dar lugar à expressão mais radical dos corpos, enquanto lugar de resistência e superação. Desta vez a circulação performativa ocorrerá entre o público.

Antes, de 21 a 24 de Janeiro, 20 anos depois da sua estreia em Lisboa, no festival Danças da Cidade, e no Porto, no festival PoNTI, o coreografo francês Jéróme Bel regressa a Portugal, com uma versão remontada, com elenco português, da peça que o validou de forma definitiva. Controverso na altura da sua estreia, em Paris, passou depois a ser considerado um dos espectáculos mais bem-sucedidos da dança contemporânea, desconstruindo convenções através de um registo minimalista, no qual participam 20 intérpretes e um DJ que passa 19 canções de sucesso. O espectáculo que já foi apresentado em mais de 100 cidades, e recebeu o conceituado Bessie Award, seguirá depois para o Teatro Viriato, em Viseu (29 Janeiro), e para o Teatro Municipal do Porto (12 e 13 de Fevereiro).

Foto
Teatro Griot

Em Fevereiro regressa-se ao tema da memória colonial com uma peça de teatro (de 12 a 14) e uma conferência (dia 10) em que estará em evidência a história esquecida da relação colonial entre Portugal e São Tomé e Príncipe. A peça chama-se O Riso dos Necrófagos e é do Teatro Griot, com encenação de Zia Soares e do músico Xullaji, mais conhecido por Chullage, e a conferência tem por título Utopia Machim – Resistência no lugar dos tempos, contando com António Pinto Ribeiro, Inocência Mata, Miguel de Barros e Raquel Lima. A 25 de Fevereiro sobe ao palco Suite nº4 da Encyclopédie de la Parole do encenador francês Joris Lacoste, com actores e cantores à volta de um imenso acervo sonoro.

Outro regresso à Culturgest será o da coreógrafa e bailarina Vera Mantero, a 20 de Março, com O Limpo e o Sujo, em torno das preocupações ecológicas, que também irão estar em evidência a 20 de Janeiro, na sessão Cinema e Razão Ecológica, que junta conversa e excertos de filmes, da historiadora de arte Teresa Castro. Uma outra conferência, a 17 de Março, focará o Corpo por Vir, com Djaimilia Pereira de Almeida e Clara Saraiva, enquanto a 14 de Abril, quando passarão 35 anos sobre o desastre de Chernobyl, o investigador Michael Marder interrogará a devoção a estruturas destrutivas de produção de energia.

Na área da música estarão em evidência músicos portugueses com álbuns novos. É o caso da formação Chão Maior (Yam Tembe, Norberto Lobo, Ricardo Martins, Leonor Arnaut, João Almeida, Yuri Antunes e Angélica Salvi), que tocará a 19 de Fevereiro, ou do muito aguardado novo álbum de Bruno Pernadas, de título Private Reasons, que será revelado a 12 de Março. A pianista Joana Guerra, a 31 de Março, ou Marco Franco, a 8 de Abril, preenchem outras datas da programação musical. Antes, a 29 de Janeiro, o realizador e também músico João Nicolau proporá com alguns cúmplices um diálogo entre música e imagens fixas e em movimento.

Foto
Bruno Pernadas

No cruzamento entre a música e as artes, no contexto da Exposição Invísivel, nos dias 16 e 17 de Janeiro, o Quarteto Lopes-Graça interpretará ao vivo a peça A Man in a Room, Gambling, composta por Gavin Bryars, e pares de mulheres e homens proporão uma maratona de leitura que durará quatro horas. Na galeria da Culturgest, com curadoria de Bruno Marchand, inaugurarão, a 6 de Março, a primeira exposição antológica de António Bolota, onde se poderão ver peças concebidas especificamente para o espaço e outras do seu percurso de 15 anos, e uma outra do artista malawiano Samson Kambalu, radicado em Londres, que alcançou destaque a partir da Bienal de Veneza de 2015, com um corpo de trabalho de espírito político. Esta última inaugurará a 24 de Abril.

Já na Culturgest do Porto inaugurará a 20 de Março exposição Apofenia, do colectivo Las Palmas. Em simultâneo, como tem sido habitual, a Culturgest acolherá os festivais de cinema DocLisboa (14 a 20 de Janeiro) e IndieLisboa (29 de Abril a 9 de Maio).