Jürgen Klopp eleito de novo melhor treinador do ano pela FIFA

Hans-Dieter Flick, do Bayern Munique, com cinco títulos conquistados - incluindo uma Liga dos Campeões - foi batido pelo compatriota do Liverpool, que devolveu o campeonato inglês aos reds após 30 anos de espera.

Foto
Reuters/VALERIANO DI DOMENICO

O treinador do Liverpool, Jürgen Klopp, repetiu a proeza do ano anterior ao vencer de novo o prémio de melhor treinador em 2020, batendo o alemão Hans-Dieter Flick, responsável pela conquista de cinco troféus em menos de um ano ao comando do Bayern Munique, e o argentino Marcelo Bielsa, líder da promoção do Leeds United depois de 16 anos a tentar regressar à Premier League.

Após a conquista da Liga dos Campeões no ano anterior, Klopp cometeu a proeza de levar o Liverpool ao triunfo na Premier League 30 anos depois do último título de campeão inglês, com um recorde de 99 pontos para os “reds", mas não disfarçou alguma perplexidade perante uma eleição que parecia destinada a distinguir o técnico do Bayern Munique, que venceu a ​Bundesliga, a Taça e a Supertaça da Alemanha, a Champions, e a Supertaça europeia.​

Klopp sagra-se, assim, como primeiro treinador a vencer o prémio duas vezes.

Manuel Neuer, do Bayern Munique, voltou a vencer o prémio de melhor guarda-redes do mundo, que junta às conquistas alcançadas entre 2013 e 2016. Mas o alemão não integra o melhor onze, surgindo o brasileiro Alisson Becker, do Liverpool, vencedor da edição anterior, na baliza de uma equipa que inclui os três finalistas para melhor do mundo Messi, Lewandowski e Cristiano Ronaldo na linha de ataque.

O onze do ano integra ainda Trent Alexander-Arnold (Liverpool), Virgil van Dijk (Liverpool), Sergio Ramos (Real Madrid), Alphonso Davies (Bayern Munique), Joshua Kimmich (Bayern Munique), Kevin de Bruyne (Manchester City), Thiago Alcântara (Bayern Munique/Liverpool).

Son Heung-Min foi distinguido como vencedor do prémio Puskas, destinado ao melhor golo de 2020. O avançado sul-coreano do Tottenham bateu os remates acrobáticos dos uruguaios Giorgian De Arrascaeta (pelo Flamengo) e Luis Suárez (pelo Barcelona) com uma finalização fantástica, depois de percorrer todo o campo, de área a área, e ultrapassar praticamente meia equipa adversária.

“Tentei passar a bola, mas não tinha opções. Depois de uns segundos estava em frente à baliza”, explicou Son, que só se apercebeu da dimensão do feito no final do jogo: “Não me apercebi de imediato. Só no final do jogo. Foi um sentimento fantástico”.

Entre as principais categorias do FIFA The Best, destaque para a melhor futebolista do ano, distinção atribuída a Lucy Bronze, do Manchester City. A defesa direita da selecção inglesa teve um ano em pleno ao serviço do Lyon antes de regressar a Manchester.