A Guerra Fria de Le Carré é corrupta, sem heróis e cheia de ambiguidades

Os livros de espionagem de John Le Carré (1931-2020) são complexos e mergulhados na história política mundial dos últimos 60 anos. Do Muro de Berlim ao “Brexit”, são um relato sem piedade.

Foto
Jovem casal espreita por cima do Muro de Berlim Bettmann/ Getty images

Foi em Berna, quando o britânico John Le Carré lá viveu e começou a aprender alemão, entre 1948 e 1949, com a tenra idade de 17 anos, que “um casal estranho” o encontrou, desamparado, numa igreja. Convidaram-no a tomar um chá e convenceram-no de que o seu país precisava dele. “Era demasiado jovem para ter conhecido a Segunda Guerra Mundial, mas estava possuído por um forte sentimento de patriotismo. E, sobretudo, o mundo das secretas atraía-me. Pode dizer-se que ao entrar nele, descobri um refúgio”, escreveu o escritor que morreu no domingo aos 89 anos, de pneumonia, num hospital da Cornualha.

Sugerir correcção
Ler 1 comentários