Accionista do Santa Clara suspeito de corrupção no Mundial 2022

Glen Lau, detentor de 47,6% da SAD do clube açoriano, foi envolvido nas investigações sobre a atribuição do Mundial àquele país árabe. No epicentro deste caso está o seu parceiro de negócios Ghanim Al Saad.

Foto
O Qatar vai organizar o Mundial de futebol em 2022 FADI AL-ASSAAD/Reuters

Glen Lian Seng Lau não tinha ligações conhecidas ao mundo do futebol quando se tornou no maior accionista da Sociedade Anónima Desportiva (SAD) do Santa Clara, em Abril de 2017. Pelo menos em termos desportivos, já que o empresário de Singapura está a ser investigado pelas autoridades francesas e brasileiras pelo envolvimento de uma empresa em que era administrador no suposto esquema de corrupção para atribuição do Mundial de 2022 ao Qatar.

Sugerir correcção
Ler 5 comentários