Na Serra da Estrela espera-se que a neve traga uma “boa época” de esqui

A estância vai “triplicar a produção de neve” e há esperança de pistas abertas assim que a chuva passe e a neve assente. Poderá não ser “um ano excepcional”, devido às restrições da pandemia, mas, apesar de tudo, prevê-se por aqui uma “boa época de Inverno”.

Foto
ADRIANO MIRANDA / PUBLICO (arquivo)

A única estância de esqui em Portugal reabriu na quarta-feira passada, após ter o aval da Direcção-Geral de Saúde, mas a chuva subiu à serra e deverá prolongar-se até domingo, adiando para a próxima semana o regresso às pistas.

No entanto, enquanto a neve não assenta, foram já implementas novas regras de segurança e de higiene para fazer face à pandemia, como a redução da capacidade máxima da estância a 350 pessoas por dia (30% do que seria habitual) e a utilização obrigatória de máscara, quer nos espaços interiores, quer nas pistas.

Houve ainda “uma redução significativa do número de pessoas no edifício”, com a suspensão da venda ao balcão de forfaits (é feita exclusivamente online, de forma a evitar filas) e a imposição de um limite de quatro pessoas dentro da loja de aluguer de material.

Foto
Uma imagem da estância a 9 de Dezembro (depois chegou a chuva) Estância de Ski da Serra da Estrela

“Ao final de cada utilização, vamos proceder à desinfecção dos respectivos equipamentos”, acrescenta Carlos Varandas, director-geral da estância de esqui da Serra da Estrela, propriedade da Turistrela. Vão também ser entregues toucas de protecção descartáveis para serem utilizadas no interior dos capacetes.

Para além destas medidas, foram definidos circuitos de circulação diferenciados no interior do edifício, para evitar ajuntamentos e cruzamentos de pessoas. E o mesmo distanciamento e respeito pelas regras são pedidos no exterior, nomeadamente nos momentos de espera para utilizar certos equipamentos, como a telecadeira, limitada agora a uma pessoa por banco (a capacidade habitual é de quatro). Já as aulas de esqui para grupos estão suspensas.

Ainda assim, Carlos Varandas mantém-se esperançoso. “Poderá não ser um ano excepcional, mas também pode vir a ser uma boa época de Inverno”, diz à Fugas. Apesar das regras de confinamento e das restrições impostas pelo estado de emergência, a estância portuguesa pode surgir como alternativa para quem habitualmente escolhia outros destinos de neve, uma vez que “a maior parte das estâncias estão fechadas no estrangeiro”.

Alheio à pandemia, foi mantido o investimento já previsto no orçamento para “triplicar a produção de neve”, com a instalação de mais 1200 metros de tubagens, o que vai permitir que, “em praticamente em 24 horas”, se consigam abrir quatro pistas, desde que as condições meteorológicas sejam favoráveis em termos de temperatura e de baixa humidade. “Em anos anteriores, necessitaríamos de quatro ou cinco dias de produção de neve”, compara o responsável.

A estância a 9 de Dezembro, antes da chuva Estância de Ski da Serra da Estrela
A estância a 7 de Dezembro Estância de Ski da Serra da Estrela
Fotogaleria
Estância de Ski da Serra da Estrela

Quanto a previsões para a temporada, apontam para “entre 80 e 100 dias” de neve, com a estância a funcionar com mais pistas abertas do que nos anos anteriores devido ao investimento realizado.

“Vamos fazer pelo melhor e tentar fazer o melhor, mas temos consciência de que poderá ser difícil”, remata o responsável, pedindo compreensão por eventuais demoras em alguns serviços e equipamentos nos dias de maior procura, devido à limitação do número de pessoas, quer no aluguer de material, quer na utilização da telecadeira. Aconselha a que, caso seja possível, se opte pelos dias de semana.

Quanto a tarifas, o forfait diário custa 25€ por adulto e 15€ por criança, existindo descontos para maiores de 65 anos (20€) e famílias (70€). Existem ainda passes de dois e de três dias. Já o aluguer de material custa 25€ (equipamento completo), sendo possível alugar avulso (entre 5€ e 15€).