Tribunal abre a porta para a actuação da PJ no Football Leaks ser investigada

Abuso de poder, corrupção e denegação de justiça são alguns dos crimes em causa. Jornalista alegadamente indicado para contar versão alternativa diz que não avançou, porque não lhe entregaram documentos que comprovassem alguma coisa.

Foto
MARIO CRUZ

O colectivo de juízes encarregado do julgamento do pirata informático Rui Pinto abriu a porta à investigação da actuação da Polícia Judiciária no caso Football Leaks ordenando a extracção de uma certidão esta quinta-feira. A certidão será remetida para um processo que tinha sido arquivado e que visava apurar se algum inspector da Polícia Judiciária actuou de forma criminosa no âmbito deste caso.

O advogado Pedro Henriques, que trabalhava para o fundo de investimento Doyen, revelou esta quinta-feira de manhã que a Polícia Judiciária lhe indicou em 2015 o nome de um jornalista que poderia ajudar a Doyen a divulgar uma versão alternativa dos factos àquela que estava a ser divulgada pelo site Football Leaks. Quem era o jornalista a testemunha garantiu inicialmente não se recordar. Acrescentou, porém, que esse plano nunca foi avante. O advogado acabou por referir, entretanto, no decorrer da sessão do julgamento o nome do jornalista alegadamente em causa: Augusto Freitas de Sousa.

“Fui contactado por alguém ligado à Doyen, mas a história nunca chegou a avançar, porque não me chegaram documentos que comprovassem o que quer que fosse”, disse Augusto Freitas de Sousa ao PÚBLICO.

Perante esta revelação, a juíza que dirige o julgamento em que o pirata Rui Pinto é o principal arguido, Ana Margarida Alves, mostrou-se estupefacta: “Então a Doyen, que estava a ser assessorada por um prestigiado escritório de advogados e tinha um gabinete de imprensa, [precisava deste tipo de indicação?] “A minha questão relaciona-se com a interferência de inspectores da Judiciária nesta matéria”, observou a magistrada. “Não percebo a indicação de um jornalista em concreto.” 

Mas Pedro Henriques também não soube explicá-la – com também já na sessão anterior do julgamento não tinha conseguido explicar a ajuda dada por um inspector da mesma polícia à Doyen para que o fundo de investimento pedisse ao Ministério Público uma aceleração da investigação que impendia sobre Rui Pinto. Numa mensagem de correio electrónico enviada para o advogado Pedro Henriques, o inspector-chefe Rogério Bravo até lhe sugeriu uma proposta de requerimento – que foi depois efectivamente foi enviado em nome da Doyen para a Procuradoria-Geral da República. Uma actuação que a magistrada considerou não ser normal.

“Era tudo distorcido” 

Da mesma falta de normalidade padece, no seu entender, a sugestão do nome de um jornalista que pudesse dar outra interpretação à informação que estava a ser revelada pelo Football Leaks em 2015 sobre os contratos do mundo do futebol, nomeadamente os que envolviam a Doyen. “Os senhores inspectores da Polícia Judiciária indicaram-nos um jornalista em concreto”, admitiu Pedro Henriques. “Estávamos em stress, porque tudo o que andava a sair na imprensa [com origem no Football Leaks] era distorcido. Esse jornalista poderia dar-nos uma ajuda, com uma versão [alternativa dos factos], explicou o advogado. 

Porém, a 11 de Janeiro de 2016 o jornalista enviou um email ao advogado Aníbal Pinto confrontando-o com a sua possível ligação ao Football Leaks. Além disso, Augusto Freitas de Sousa terá tido conhecimento de um encontro secreto entre Pedro Henriques, Aníbal Pinto e o principal responsável da Doyen, Nélio Lucas, que teve lugar numa estação de serviço da A5, em Oeiras, em finais de 2015, e que a Judiciária vigiou, tendo aludido ao assunto nesta troca de correspondência electrónica com Aníbal Pinto. O advogado Pedro Henriques garante nada ter contado ao jornalista sobre esta reunião secreta, durante qual Aníbal Pinto diz ter-lhe sido oferecido pelos representantes do fundo de investimento um milhão de euros para lhes revelar a identidade pirata informático, que na altura era desconhecida. 

O representante legal do advogado Aníbal Pinto, também arguido neste processo por ter alegadamente ajudado Rui Pinto a chantagear a Doyen, solicitou ao tribunal a extracção de uma certidão das declarações prestadas por Pedro Henriques para que o Ministério Público possa investigar a eventual prática de abuso de poder, corrupção e denegação de justiça, entre outros crimes. Em causa está precisamente o comportamento dos inspectores da Judiciária, naquilo que este representante legal qualificou como uma actuação policial “com contornos obscuros e manobras de encobrimento”. A estratégia da defesa de Aníbal Pinto passa por invalidar as provas obtidas pela PJ, deitando assim por terra este julgamento.

Este advogado e agora arguido alega que Pedro Henriques agiu como se fosse um agente infiltrado da Judiciária, tendo-o instigado a cometer crimes. E apresentou em tribunal um novo email que parece encaixar nesta tese, em que os dois homens da Doyen, Nélio Lucas e Pedro Henriques, combinam que o vão “atrair” para a conversa na estação de serviço, para o fazerem “cantar” e chegarem ao pirata informático. Detalhe: esta mensagem foi escrita com conhecimento ao inspector Rogério Bravo e a um colega seu. Enquanto Pedro Henriques prestava depoimento Aníbal Pinto deu várias vezes a entender que esta testemunha mentia, tendo por fim anunciado que irá pedir para ser feita uma acareação com ele. 

O colectivo de juízes autorizou a extracção da certidão das declarações do advogado da Doyen. A actuação dos dois inspectores da Judiciária neste caso já tinha sido alvo de um inquérito que acabou por ser arquivado, e no qual nunca terão sido constituídos arguidos, mas que deverá agora ser reaberto. Contactada pelo PÚBLICO, a PJ respondeu que não se vai pronunciar sobre o assunto, uma vez que as entidades competentes irão proceder a averiguações. Com Pedro Sales Dias

Notícia corrigida às 13h desta quinta-feira. O tribunal ordenou a extracção da certidão, mas será o Ministério Público a decidir a abertura da investigação.​