Marcelo avisa que, se morte de Ihor não foi caso isolado, “então é o SEF que não serve”

Sem esclarecer se se referia à ex-directora do SEF e ao ministro da Administração Interna, o Presidente da República comentou sobre a reforma anunciada para a instituição: que é preciso ver se aqueles que lideraram o sistema “podem ser protagonistas do período seguinte”.

Foto
Marcelo Rebelo de Sousa destaca que caso ainda está na Justiça Nuno Ferreira Santos

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou nesta quinta-feira que a morte do cidadão ucraniano Ihor Homenyuk a 12 de Março no Centro de Instalação Temporária do aeroporto de Lisboa obriga a ver se há mais casos semelhantes associados à instituição e, em caso afirmativo, a substituí-la por outra, com outros responsáveis. Marcelo Rebelo de Sousa sublinhou que o processo ainda está nas mãos da Justiça, mas considera que a prioridade deverá ser perceber se a morte de Ihor Homenyuk foi um acto isolado ou se a tortura nestas instalações é recorrente.