Fundação Mário Soares e Maria Barroso quer manter e ampliar os seus arquivos

Rebaptizada para acolher o nome de Maria Barroso, e com novos estatutos e corpos sociais, a fundação apresenta esta quinta-feira o seu plano de acção até 2025.

historia,patrimonio,culturaipsilon,25-abril,mario-soares,ps,
Fotogaleria
NFS
historia,patrimonio,culturaipsilon,25-abril,mario-soares,ps,
Fotogaleria
NFS
historia,patrimonio,culturaipsilon,25-abril,mario-soares,ps,
Fotogaleria
NFS
historia,patrimonio,culturaipsilon,25-abril,mario-soares,ps,
Fotogaleria
NFS
mario-ruivo,maria-barroso,arquivo-nacional-torre-tombo,patrimonio,culturaipsilon,mario-soares,
Fotogaleria
NFS
mario-ruivo,maria-barroso,arquivo-nacional-torre-tombo,patrimonio,culturaipsilon,mario-soares,
Fotogaleria
NFS

A cerimónia que esta quinta-feira terá lugar, pelas 18h, na sede da Fundação Mário Soares e Maria Barroso (FMS-MB), em Lisboa, anuncia o início de um novo ciclo na instituição, que, após o período de indecisão que se seguiu à morte do seu fundador, está determinada a manter e ampliar os arquivos que a tornam uma fonte única para a história portuguesa do século XX.