Directora do SEF sai “tarde de mais”. Reestruturação anunciada hoje já estava prevista em 2019

Conselheiro para as migrações diz que já em 2006 sugeriu mudanças estruturais no centro onde Ihor Homenyuk morreu que podiam ter evitado a tragédia. Programa de 2019 já previa separação de parte policial da documental no SEF. Sindicatos e observadores comentam que foi uma demissão expectável e tardia.

Foto
Miguel Manso

Quando esta quarta-feira anunciou a demissão da directora nacional do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), Cristina Gatões, o Ministério da Administração Interna (MAI) referiu que iria haver uma reestruturação do SEF.