Universal compra todo o catálogo de Bob Dylan

O acordo, que já é considerado histórico, não inclui as canções que o músico norte-americano escrever no futuro.

Foto
ISTVAN BAJZAT/lusa

O grupo Universal Music adquiriu todo o catálogo de canções de Bob Dylan, ao abrigo de um acordo que abrange mais de 600 canções e uma carreira de 60 anos. Os direitos autorais do músico e Prémio Nobel da Literatura norte-americano vão "do marco cultural de 1962 Blowin ‘in the wind ao épico deste ano Murder most foul”, lembra o comunicado da editora divulgado esta segunda-feira. 

Segundo o jornal New York Times, o acordo, cujos valores não foram ainda divulgados, poderá envolver uma verba superior a 300 milhões de dólares (248 milhões de euros). O negócio, que não inclui as gravações, está a ser considerado histórico pelos media norte-americanos. 
 
“Não é segredo que a arte de escrever canções é a chave fundamental de toda a grande música, nem é segredo que Bob é um dos grandes praticantes dessa arte”, diz Lucian Grainge, administrador executivo da Universal Music Publishing Group, citado pelo mesmo comunicado, que não inclui nenhuma declaração do músico. Até agora, os direitos eram geridos nos Estados Unidos pela Bob Dylan Music Company, ou seja, pelo próprio artista, embora no resto do mundo o catálogo fosse administrado pela Sony.

No mercado dos catálogos musicais, que tem estado especialmente agitado, o de Bob Dylan é considerado “uma das últimas jóias”, escreve o New York Times: não só porque as suas canções moldaram a música folk, rock e pop, mas porque a maior parte delas, escritas pelo próprio, é frequentemente usada por outros artistas, com cada utilização a gerar royalties. Os seus temas foram gravados mais de 6000 vezes nas últimas décadas por artistas que representam dezenas de culturas e países, bem como diversos géneros musicais, lembra a Universal, acrescentando que Dylan escreveu sucessos como The times they are a-changin’, Like a rolling stone, Lay lady lay, Forever young, Knockin’ on heaven’s door, Tangled up in blue, Gotta serve somebody, Make you feel my loveThings have changed.  

O acordo com a Universal não inclui, porém, as canções que Dylan escrever no futuro.