ONU e Governo etíope chegam a acordo para entrega de ajuda humanitária em Tigré

As forças governamentais tinham impedido até agora o acesso das agências das Naações Unidas e outras ONG de chegar até à região do Norte da Etiópia, onde se calcula que haja mais de um milhão de deslocados.

Foto
Etíopes fogem de Tigré rumo ao Sudão, onde estão mais de 45 mil refugiados provenientes da Etiópia BAZ RATNER/Reuters

A Organização das Nações Unidas (ONU) anunciou esta quarta-feira que chegou a um acordo com o Governo da Etiópia que permitirá um acesso humanitário “desimpedido” a Tigré, possibilitando que, pela primeira vez desde o início dos combates entre as tropas federais e a Frente de Libertação do Povo Tigré (FLPT), comida, medicamentos e outros mantimentos cheguem às seis milhões de pessoas que vivem na região.

De acordo com o porta-voz da missão humanitária da ONU, Saviano Abreu, os primeiros carregamentos deverão começar a chegar a Tigré esta quarta-feira. Segundo a Associated Press, a ajuda humanitária será distribuída, para já, nas áreas da região do Norte da Etiópia que estão sob controlo do Governo federal de Abiy Ahmed.

Desde o início do conflito, a ONU e várias organizações de defesa dos direitos humanos têm tentado chegar a Tigré, no entanto, o acesso tem sido negado pelo Governo etíope.

Durante o passado fim-de-semana, o primeiro-ministro Abiy Ahmed declarou vitória sobre a FLPT, tendo reivindicado o controlo de Mek'ele, a capital da região, apesar de o líder tigré, Debretsion Gebremichae, garantir que os combates ainda continuam.

A ofensiva do Governo etíope contra Tigré começou no passado dia 4 de Novembro, com o executivo a acusar a FLPT de lançar um ataque contra uma unidade militar federal.

A tensa relação entre os dois lados do conflito já vinha de trás, sobretudo desde que Abiy Ahmed – vencedor do Prémio Nobel da Paz em 2019 pelo acordo alcançado com a vizinha Eritreia – chegou ao poder em 2018 com uma política mais centralizadora, afastando os membros da etnia tigré de cargos de poder.

Desde o início da ofensiva no início de Novembro, estima-se que centenas ou até milhares de pessoas tenham morrido devido aos combates em curso – as comunicações na região estão cortadas, o que torna difícil saber a situação real no terreno.

Mesmo antes da escalada dos combates, a ONU estima que mais de 600 mil pessoas necessitassem de ajuda alimentar para sobreviver. Nos hospitais da região, a Cruz Vermelha, que visitou o principal hospital de Mek'ele, diz que a situação é muito grave e que o material médico está a acabar, pondo em causa o tratamento dos milhares de feridos do conflito. 

Com o intensificar dos combates, mais de um milhão de pessoas que vivem em Tigré tiveram de abandonar as suas casas, incluindo mais de 45 mil etíopes que fugiram para o Sudão, aprofundando um crise que pode ter graves consequências humanitárias em todo o Corno de África

A situação agravou-se também nos campos de refugiados eritreus no Norte da Etiópia, tendo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) alertado na terça-feira que acabaram os alimentos, deixando quase 100 mil pessoas em risco de fome e malnutrição.

Apesar da grave situação humanitária na Etiópia, o primeiro-ministro Abiy Ahmed tem recusado os apelos da comunidade internacional para dialogar com os líderes tigré.

Esta quarta-feira, Ahmed reuniu-se com vários partidos políticos para começar a preparar as eleições do próximo ano – em Setembro, a FLPT realizou eleições em Tigré, contrariando as ordens do Governo federal, que as tinha adiado devido à pandemia de covid-19, uma acção que precipitou o confronto entre o Governo federal e o governo regional.