O SNS não pode “deixar órfãos os doentes que não têm covid-19”

Filipe Almeida, presidente da Comissão de Ética do Hospital de São João e da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto, quer ver criadas equipas nos hospitais capazes de ajudar a decidir que doentes têm prioridade no acesso aos ventiladores se os cuidados intensivos chegarem ao limite.

Foto

Se as unidades de cuidados intensivos atingirem a sua capacidade máxima, se faltarem camas e ventiladores, que doentes devem ser considerados prioritários? A idade, a ordem de entrada, as probabilidades de sobrevivência – qual deve ser o critério? Filipe Almeida, presidente da Comissão de Ética para a Saúde da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto e do Hospital de São João (HJS), lembra que não é possível estabelecer regras matemáticas.