Etiópia: Capital de Tigré sob “fortes bombardeamentos”

A esperada grande ofensiva contra a principal cidade da região, em guerra com as forças federais etíopes, começou. Agências humanitárias temem pela sorte de meio milhão de civis.

Foto
Dezenas de milhares de pessoas em fuga de Tigré já chegaram ao Sudão Reuters/MOHAMED NURELDIN ABDALLAH

Dois dias depois de o primeiro-ministro etíope, Abiy Ahmed, ter anunciado a “fase final” da ofensiva do seu Governo contra a Frente de Libertação do Povo Tigré (FLPT), o líder das forças rebeldes diz que a capital da região, Mek’ele, já está sob ataque. Residentes confirmaram ter ouvido explosões no norte da cidade, dizem diplomatas e funcionários de agências humanitárias ouvidos pela BBC.

Segundo Debretsion Gebremichael, líder da FLPT, que governa a província rebelde, Mek’ele está debaixo de “fortes bombardeamentos” e o centro da cidade está a ser atingido por “armas pesadas e artilharia”. Gebremichael falou com a agência Reuters através de mensagens de texto – tem sido muito difícil saber o que se passa no interior de Tigré, com as comunicações telefónicas e de Internet cortadas desde o início do conflito, há pouco mais de três semanas.

Um comunicado da FLPT, divulgado pela AFP, acusa o Governo da Eritreia de estar envolvido no ataque e apela “à comunidade internacional para condenar os ataques aéreos e de artilharia e os massacres que estão a ser cometidos”.

Horas antes, o tenente-coronel Hassan Ibrahim tinha dito, num comunicado, que as forças federais já tinham conquistado Wikro, cidade 50 km a Norte de Mek’ele, e estariam “a controlar Mek’ele em alguns dias”.

Milhares de pessoas já terão sido mortas nos ataques aéreos e combates no terreno, com dezenas de milhares de etíopes a fugirem para o Sudão. E há relatos de massacres cometidos pelos dois lados.

Kenneth Roth, director da Amnistia Internacional, defende que “com provas crescentes de atrocidades, é essencial enviar agora investigadores internacionais”. As denúncias visam tanto as forças da FLPT como as do Governo, assim como as milícias amhara (da região com o mesmo nome), que estão a combater ao lado das tropas federais.

As Nações Unidas e outras organizações internacionais temem pela vida do meio milhão de civis de Mek’ele e pedem que as agências humanitárias tenham acesso à região.

O ministro das Finanças, Ahmed Shide, garantiu na quinta-feira que o Governo estava a tentar avisar as pessoas da operação militar, largando “panfletos para que a população se proteja”. E Billene Seyoum, porta-voz do gabinete do primeiro-ministro, garantiu que as forças etíopes não vão “bombardear” áreas civis e que “a segurança dos etíopes em Mek’ele e na região de Tigré continua a ser uma prioridade para o Governo federal”.

Abiy, Prémio Nobel da Paz em 2019, rejeitou todas as tentativas internacionais de mediação, recusando dialogar com a FLPT, que acusa de “cruzar a última linha vermelha” ao atacar duas bases militares no início do mês. As  tensões entre o Governo e a região vinham de antes: apesar de serem apenas uns 5% da população, os tigrés dominaram o aparelho de Estado durante décadas, até à eleição de Abiy, em 2018.