Porto LBV, o segundo melhor que é muito bom

Os Porto LBV existem numa condenação: o de serem subalternos aos Vintage. Mas esqueçam-se as comparações directas e anote-se: os LBV são vinhos óptimos, cheios de fruta jovem, garra e intensidade que se podem beber por um terço do preço, ou menos, dos Vintage.

Foto
Nelson Garrido

Diz-se muitas vezes nas conversas entre enófilos que o maior problema de um grande vinho é ser comparado com um vinho ainda melhor. E se há caso para provar o aforismo, ele está nos Porto LBV (Late Bottled Vintage). Sempre que se pensa nesta categoria, é praticamente inevitável que venha à memória ou à conversa o Vintage propriamente dito, o que acaba por remeter os LBV para a infeliz condição do eterno “segundo melhor”. E se nesta permanente comparação há alguma razão ou justiça, a verdade é que ela impede que se considerem os LBV pelo que de facto são: vinhos magníficos, muito mais fáceis de beber, versáteis e, questão sempre importante, muito mais baratos do que os Vintage, a velha nobreza da corte do vinho do Porto.