A espantosa história da mãe de Tabori quando escapou aos nazis

A partir de um episódio real passado com a sua mãe, George Tabori escreveu A Coragem da Minha Mãe, texto agora encenado por Jorge Silva Melo no Teatro da Politécnica, Lisboa, até 19 de Dezembro.

judeus,auschwitz,artistas-unidos,holocausto,teatro,culturaipsilon,
Fotogaleria
Antónia Terrinha no papel de Elsa Tabori e Pedro Carraca no do seu filho, George Tabori Jorge Gonçalves
judeus,auschwitz,artistas-unidos,holocausto,teatro,culturaipsilon,
Fotogaleria
George Tabori transformou o relato verídico da mãe num conto, depois numa peça de teatro radiofónico e, finalmente, numa peça para o palco Jorge Gonçalves

É uma daquelas histórias que, de tão inacreditáveis, só podem ser verdadeiras. Num dia de Verão de 1944 — “ano extraordinário de colheitas para a Morte”, escreve George Tabori —, a mãe do dramaturgo húngaro “vestiu o seu belo casaco preto de gola em bico”, o mesmo casaco com que sempre se cobria quando ia até à casa da sua irmã para disputar umas partidas de rommé, e foi detida numa das ruas de Budapeste. Eram dez e meia da manhã. Num repente, Elsa Tabori viu-se atirada para dentro de um comboio com destino ao campo de concentração de Auschwitz, na companhia de outros quatro mil judeus. Depois, num gesto inesperado, na fronteira com a Alemanha a senhora Tabori conseguiu convencer um oficial nazi de que fora apanhada de surpresa e que se esquecera em casa do salvo-conduto da Cruz Vermelha que lhe garantia liberdade de movimentos. E regressou então para Budapeste, retomando, passadas várias horas, o propósito inicial com que saíra à rua naquele dia, terminando a noite a jogar cartas com a sua irmã e o cunhado.