Coimbra 1920. Quando os estudantes assaltaram a universidade

A “tomada da Bastilha”, na Universidade de Coimbra, faz 100 anos

Foto
Adriano Miranda

Na madrugada de 25 de Novembro de 1920, estava em curso a queda de mais um governo na República, que tinha tomado posse cinco dias antes – o Ministério de Álvaro de Castro. Em Coimbra, um grupo de 40 estudantes levava a cabo a ocupação de um palácio da Universidade – o Colégio de São Paulo Eremita – para servir de sede à Associação Académica. O acontecimento, baptizado com o estranho nome de “tomada da bastilha” em homenagem à Revolução Francesa, faz hoje um século e tornou-se uma lenda da universidade ao ponto de muitas das celebrações do “Dia do Estudante” em Coimbra, Lisboa e Porto (entre 1951 e 1961) terem acontecido a 25 de Novembro. 

Mas o que aconteceu ao certo na “tomada da bastilha” de Coimbra? Um grupo de estudantes – recrutados segundo os procedimentos das sociedades secretas – decide ocupar o Palácio onde estava instalado o “clube dos lentes”. Às seis da manhã rebentam morteiros (o sinal de que a operação tinha sido bem sucedida) e tocam os sinos da Torre da universidade. A “Alta” enche-se de gente. Está tomada a bastilha.

Talvez o facto de nesse dia estar em curso a queda de mais Governo da República e de os deputados praticamente terem andado à pancada no Parlamento (“A Capital” de 25 de Novembro fala em tumulto generalizado e “conflitos pessoais, ‘corps-à-corps’ entre deputados”) tenha amenizado a reacção perante a desordem coimbrã. Um jornal local estranha que “a autoridade local, e tão numerosa que ela é, consentisse nessas manifestações de desrespeito a uma cidade que se preza civilizada”.

A verdade é que o Reitor, depois da Associação Académica declarar não ter responsabilidade no ocorrido, acabou por escrever ao ministro da Instrução considerado ser “impossível apurar quais os dirigentes dos acontecimentos, que devem ser atribuídos à irreflexão da mocidade (…) e, deste modo, olhados com benevolência”.  O cortejo de archotes com que, ao fim do dia 25 de há 100 anos, os estudantes comemoraram a vitória, foi várias vezes replicado ao longo dos anos.

Na revista “Capa e Batina” que comemora o centenário do assalto, vários antigos presidentes da Associação Académica falam das respectivas “bastilhas” com que se confrontaram. Francisco Leal Paiva fala da crise de 1962, quando o I Encontro Nacional de Estudantes, marcado para Coimbra, teve ordem de proibição pelo governo da ditadura “que não acatámos”. Os membros da AAC são alvo de um processo disciplinar “e ao mesmo tempo é instaurado um processo-crime por não acatamento da proibição do encontro”. Poucos dias depois, o Dia do Estudante, que a Universidade de Lisboa ia comemorar a 24 de Março é proibido e Coimbra decreta o luto académico e a ausência às aulas. Os sete membros da AAC têm penas de expulsão e de exclusão durante dois anos de todas as escolas nacionais.

Em 1969, Alberto Martins, nesse ano presidente da Associação Académica, recorda como “a tomada da Bastilha, festa da academia que comemora o assalto ao clube dos lentes, foi um imenso desfile de protesto”. “As greves às aulas e exames foram decididas pela Assembleia Magna, no quadro da declaração do luto académico decretado pelo Conselho de Veteranos. As capas e batinas passaram a andar em luto (…) A Queima das Fitas também não se realizou (…) A Académica, também no futebol, trajava de luto. Não o seu preto habitual, mas o branco”.

Ricardo Roque, presidente da Associação Académica em 1984/85 recorda o combate à portaria do Bloco Central que pretendia aumentar o preço das refeições na cantina de 55 para 100 escudos. “A AAC realizou duas assembleias magnas, com cerca de 3000 estudantes, onde, em unidade sem precedentes, estabelecemos formas de luta, da greve ao luto académico”. Cerca de 1000 estudantes de Coimbra dirigiram-se para Miranda do Corvo para fazer uma “espera” ao então ministro da Educação, José Augusto Seabra, que ia inaugurar uma escola e não apareceu. Estavam em Miranda do Corvo quando aparece uma miúda a perguntar “quem era o Ricardo Roque”. Era o primeiro-ministro – Mário Soares – ao telefone. “Então não confia nos amigos?”, disse Soares, “Não há aumento do preço das refeições, está resolvido o problema”.