Morreu o ministro do Interior cubano

O vice-almirante Julio César Gandarilla Bermejo morreu aos 77 anos “depois de doença prolongada”. Foi substituído no cargo pelo general Álvarez Casas que era o número dois do Ministério. Ambos serviram em missões internacionais em Angola.

Foto
Próximo de Raúl Castro, o vice-almirante Júlio César Gandarilla, de 77 anos, estava no cargo desde 2017 Marcelino Vazquez Hernandez/EPA

O ministro do Interior cubano, vice-almirante Julio César Gandarilla Bermejo, morreu na terça-feira “depois de doença prolongada”, de acordo com o anúncio oficial do Governo cubano, sem dar mais pormenores sobre a causa da morte – o site independente 14 y medio fala em cancro. O general Lázaro Alberto Álvarez Casas, que até agora era o número dois do Ministério, passou a ser o detentor da pasta.

Esta sucessão é muito parecida à que levou Gandarilla a assumir o cargo em 2017, já que o seu antecessor, Carlos Fernández Gondín também morreu no cargo e ele era então vice-ministro.

Na parca notícia sobre o óbito, o Governo cubano refere que o vice-almirante foi cremado e que, a seu pedido, não se realizou “nenhuma cerimónia militar nem actividade pública”, como seria de esperar de alguém que sempre foi muito próximo do ex-Presidente Raúl Castro e que “no seu desempenho sempre se distinguiu por uma comprovada fidelidade”.

Deputado no Parlamento cubano, o vice-almirante Gandarilla chefiou os serviços de contra-espionagem militar e era membro do Comité Central do Partido Comunista Cubano e, segundo a nota oficial, tinha “uma brilhante folha de serviço, ocupando importantes responsabilidade nas Forças Armadas Revolucionárias e no Ministério do Interior”.

Para os activistas pró-democracia cubanos, o vice-almirante era “a marioneta que dirigia a repressão” em Cuba, como escreveu no Twitter Lidier Hernández. E para Washington, havia grandes suspeitas de corrupção e graves violações de direitos humanos contra Gandarilla, daí que estivesse, junto com os seus dois filhos (Julio César Gandarilla Sarmiento e Alejandro Gandarilla Sarmiento), proibido de entrar nos Estados desde 2019.

O seu sucessor, general Álvarez Casas, de 57 anos, cujo nome foi confirmado pelo Conselho de Estado (por proposta do Presidente Miguel Díaz-Canel), tal como é habitual, também fez a sua carreira no serviço de contra-espionagem militar, subindo na hierarquia até chegar vice-ministro do Interior. E, tal como o vice-almirante, também participou numa missão internacional cubana em Angola.

O Ministério do Interior cubano (MININT) controla os serviços secretos e de contra-espionagem, a polícia e os Comités de Defesa da Revolução e nos últimos tinham-se registado várias denúncias de organizações internacionais pelo aumento da repressão contra activistas, jornalistas independentes e outros membros da sociedade civil cubana, diz o 14 y medio.