Match point no Velódrome

Sem Pepe e Uribe, ambos lesionados, o FC Porto pode afastar esta noite o Marselha de André Villas-Boas dos oitavos-de-final da Liga dos Campeões.

Foto
Villas-Boas reconhece que o Marselha está numa posição dificill DR

Sem competição - o último jogo que disputou foi há 20 dias -, sem pontos e golos marcados na Liga dos Campeões, e sem margem de erro. O FC Porto defronta esta noite (20h, TVI) o Marselha no Estádio Velódrome, na quarta jornada do Grupo C da Champions, e André Villas-Boas, técnico dos franceses, reconhece que o reencontro com os portistas será um “match point” para a sua equipa. Com uma posição muito mais cómoda do que o treinador rival, Sérgio Conceição não esconde que os “dragões” estão “numa boa posição para passar aos ‘oitavos'”, mas não terá dois jogadores que têm sido preponderantes para o FC Porto na prova: Pepe e Uribe, ambos por lesão, não vão actuar em Marselha.

A nível interno, se tivesse vencido os dois jogos que tem em atraso - ambos no Velódrome, contra Lens e Nice -, o Marselha estaria no topo da Ligue 1, a par do todo-poderoso Paris Saint-Germain, mas na véspera de voltar a estar frente a frente com o “clube do coração”, André Villas-Boas admitiu que são vários os problemas que os marselheses enfrentam.

Segundo o técnico portuense, o Marselha tem “vários obstáculos para ultrapassar” e “o primeiro deles passa pela vontade” de querer “mostrar mais, de ganhar mais bolas”. Contra um adversário que “está muito mais habituado a lidar com o aspecto emocional na Liga dos Campeões”, Villas-Boas diz que a “chave do desbloqueio é o lado mental” do Marselha, que pode melhorar “a própria finalização” de uma equipa com claro défice de qualidade no ataque.

Sem um goleador no plantel, um problema assumido por Villas-Boas desde o arranque da época - o Benfica ganhou a corrida com o Marselha pela contratação de Darwin Núñez -, a falta de opções de ataque nos marselheses tem sido disfarçada pela qualidade de jogadores rápidos e móveis como Germain, Thauvin ou Radonjic, mas o sérvio, que podia ser uma das principais ameaças para Marchesin, lesionou-se ao serviço da sua selecção, após marcar à Hungria e à Rússia.

20 dias sem competir

Assim, naquele que será o “primeiro match point” para Villas-Boas na Liga dos Campeões, o Marselha terá “de conseguir o resultado de qualquer forma”, mesmo que vá entrar no jogo “um pouco às escuras”: “Estamos há 20 dias sem competir e isso dá um cariz de maior dificuldade a este jogo. É uma situação difícil e teremos que passar das palavras aos actos. É a última oportunidade para nós e essa é a única coisa que é certa.”

O peso que a partida tem para a equipa de Villas-Boas é confirmado por Sérgio Conceição: “O Marselha tem aqui, talvez, a última possibilidade de manter a viva a chama de passar aos oitavos.” Com o FC Porto “numa boa posição para passar aos oitavos”, o técnico portista adverte que o resultado de Marselha “pode ser extremamente importante” na luta pelos dois primeiros lugares do Grupo C e, por isso, voltará a tomar opções para manter “o equilíbrio que se pretende para a equipa": “O treinador olha para a equipa e quer sempre um grupo muito capaz, competente e que ganhe jogos. É normal que os adeptos prefiram um ou outro, mas acho que não tenho escolhido mal. Não quero puxar dos galões, mas em três anos ganhámos duas vezes o título e estivemos nos oitavos e quartos-de-final da Liga dos Campeões.

De fora dessas opções estará Uribe e, quase de certeza, Pepe (Conceição disse que era “quase impossível” o central recuperar, mas Pepe viajou para Marselha), que nesta época foram sempre titulares quando estiveram disponíveis. Sem o internacional português, Mbemba e Malang Sarr devem voltar a formar a dupla de centrais. Mais difícil, é prever quem se vai juntar a Sérgio Oliveira e Otávio no meio-campo: Loum, Grujic, Baró e Fábio Vieira são as opções mais prováveis.

Nos outros jogos da quarta jornada da Liga dos Campeões que serão disputados nesta quarta-feira, destaque para um escaldante Inter-Real Madrid no Estádio Giuseppe Meazza: italianos e espanhóis estão nas duas últimas posições do Grupo B.