Observatório acusa Governo de não fornecer dados objectivos sobre incêndios

Entidade independente que acompanha gestão dos fogos florestais teceu várias críticas ao Governo sobre relatório relativo aos fogos de 2019.

Foto
Incêndios florestais Rui Oliveira

O Observatório Técnico Independente (OTI) criado pela Assembleia da República para acompanhamento dos fogos florestais acusa o Ministério da Administração Interna (MAI) de não lhe fornecer “dados objectivos” para a elaboração do parecer sobre o Relatório de Actividades do Sistema de Gestão Integrada de Fogos Rurais (SGIFR) relativo a 2019.

O OTI reconhece ter tido “grande dificuldade” para elaborar o seu relatório por não ter o “enquadramento legal do SGIFR” e por não haver “um programa de acção previamente definido às diversas escalas”, situação para a qual diz “por diversas vezes ter chamado à atenção”.

O observatório é de parecer que este relatório não cumpre ainda adequadamente a função de apresentar de uma forma objectiva e organizada o conjunto das actividades realizadas no âmbito do SGIFR durante o ano de 2019 e considera que se justifica o esforço no sentido de introduzir melhorias significativas em futuros relatórios de actividades”, afirma o documento com data de Novembro.

Esta entidade diz ainda que no SGIFR “indica-se de forma demasiado simplista” que este esforço de combate aos incêndios “reduziu no curto prazo a vulnerabilidade da população” e que se reduziram “o número de ignições, o número de grandes incêndios, a área ardida e os danos”. Uma afirmação que não considera correcta porque se sabe “que muitas destas ilações não se podem retirar num prazo curto, obrigando a que estas conclusões estejam suportadas por análises mais fundamentadas e em que a influência meteorológica seja devidamente considerada, implicando igualmente a quantificação dos danos.” 

“Seria mais avisado, numa nota inicial de resumo, que houvesse uma preocupação em evidenciar a natureza preliminar das informações obtidas e das conclusões apresentadas”, acrescenta.

O observatório acusa ainda o MAI de de “inconsistência de critérios” em várias abordagens de organização e na “apresentação da informação sobre as actividades incluídas no relatório. “Este modo de apresentação da informação com a utilização simultânea e inconsistente de diversos critérios de organização faz com que seja muito difícil associar os recursos às actividades e estas aos resultados e impactos, tornando praticamente impossível estabelecer relações custo/benefício e avaliar a eficácia e eficiência dos diversos componentes integrantes do sistema”, salienta

Nas conclusões finais, o OTI recomenda em futuros relatórios de actividade do SGIFR, sejam sempre identificadas “as fontes dos dados nos quais se baseiam as interpretações e conclusões expressas no articulado do documento, conferindo-lhe assim objectividade analítica”.

Pede ainda que seja utilizado “apenas um critério de classificação das actividades, que se propõe que seja o das fases da cadeia de processos” e que se tenha “um grande rigor e consistência nos dados utilizados e nas interpretações deles decorrentes, evitando conclusões não suportadas por dados”.