Desenhar a Grécia deserta em tempos de pandemia

O urban sketcher Hugo Costa continua a repetir os passos do arquitecto Louis Kahn — e encontrou um país sem turistas, sem multidões e sem filas. "Não me senti turista".

 

Hugo Costa
Fotogaleria
Hugo Costa

Louis Kahn. O arquitecto (1901-1974) continua a ser o melhor pretexto para Hugo Costa fazer as malas e viajar. "Percorrer os mesmos espaços que ele percorreu", diz o urban sketcher português que se propôs repetir os desenhos compilados no livro The Paintings and Sketches of Louis I. Kahn e que nos últimos anos já foi "à boleia" do "mestre dos mestres" pelo sul de Itália e por cidades como Los Angeles, Nova Iorque e Filadélfia.

Nas últimas férias de Agosto, pegou na família e aproveitou para dar um grande avanço nos desenhos que o norte-americano fez na Grécia em 1951. "Foram três semanas", recorda à Fugas Hugo Costa, que não se deixou intimidar pela covid-19. "Foi mais positivo do que negativo", diz. "Permitiu-nos visitar espaços que normalmente estão a abarrotar de gente". Sem filas nos restaurantes, sem autocarros de turistas ("praticamente só nos relacionámos com gregos") e com preços "relativamente mais baixos", Hugo considera que esta é não só uma "boa altura para visitar a Grécia", como também para a desenhar.

"Não me senti turista", resume o português que vive e trabalha na cidade espanhola de Valência. "Chegámos a visitar monumentos que tinham apenas uma pessoa na fila", conta. Nem turistas, nem guias turísticos. Menos filas e mais tempo para desenhar. O que começou por ser um projecto pessoal, está em vias de ser "um projecto de investigação". "Levei as coisas mais a sério", diz Hugo Costa, que para além de desenhar, deu por si a filmar, fotografar e tirar notas — o chão que Kahn pisou e a Grécia em redor.

Hugo Costa
Hugo Costa
Hugo Costa
Hugo Costa
Hugo Costa
Hugo Costa
Hugo Costa
Hugo Costa
Hugo Costa
Hugo Costa
Hugo Costa
Hugo Costa
Hugo Costa
Hugo Costa
Hugo Costa
Hugo Costa
Hugo Costa
Hugo Costa
Hugo Costa
Sugerir correcção