Sauditas desmentem encontro secreto entre Netanyahu e o príncipe herdeiro

Segundo a imprensa israelita, primeiro-ministro terá ido em segredo à Arábia Saudita para falar com Mohammed bin Salman em Neom, onde este tinha uma reunião com Mike Pompeu.

Foto
Pompeo com MBS no domingo na Arábia Saudita BANDAR ALJALOUD/EPA

O Governo da Arábia Saudita desmente que o primeiro-ministro israelita tenha voado em segredo até à monarquia do Golfo para se encontrar com o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman (MBS) e com o secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo. Nem o gabinete de Benjamin Netanyahu nem a embaixada dos Estados Unidos em Israel comentaram a notícia, divulgada nesta segunda-feira de manhã pela imprensa israelita – a confirmar-se, seria o primeiro encontro entre as lideranças dos dois países, num momento em que Washington já convenceu vários países árabes a normalizar laços com Israel.

“Essa reunião não ocorreu”, escreveu no Twitter o ministro dos Negócios Estrangeiros, príncipe Faisal bin Farhan al-Saud. “Os únicos responsáveis presentes eram americanos e sauditas”, garante.

O diário israelita Ha’aretz diz que os registos de voo mostram que um jacto privado viajou de Telavive até Neom, cidade saudita na costa do mar Vermelho – onde MSB e Pompeu tinham um encontro marcado –, tendo ali permanecido durante duas horas antes de regressar a Israel, pouco depois da meia-noite. Trata-se do mesmo jacto que Netanyahu usou várias vezes para visitar o Presidente russo, Vladimir Putin, adianta ainda o Ha’aretz.

De acordo com a rádio pública Kan e com a Rádio do Exército, o chefe da Mossad, Yossi Sohen, também teria estado em Neom. 

Até ao desmentido saudita procuraram-se sinais: um dos assessores de imprensa de Netanyahu, Topaz Luk, escrevera no Twitter que, enquanto o primeiro-ministro está “a fazer a paz”, o seu principal rival político Benny Gantz está “a fazer política”. Luk referia-se ao facto de Gantz ter nomeado neste domingo uma comissão para investigar a polémica compra de submarinos alemães num negócio de 1,7 mil milhões de euros.

Pompeo iniciou na semana passada o seu último périplo pelo Médio Oriente, começando por visitar precisamente Israel. Nos últimos meses, a Administração Trump patrocinou uma série de acordos de normalização de laços entre países árabes e Israel: aos Emirados Árabes Unidos seguiu-se o Bahrein e o Sudão. Até aqui, apenas dois países árabes reconheciam o Estado hebraico, a Jordânia e o Egipto.

“Agora que se quebrou o gelo, espero que mais países árabes e muçulmanos sigam os Emirados Árabes Unidos”, afirmou Trump na Casa Branca, depois do anúncio do “acordo histórico”, a 13 de Agosto. No fim desse mês, um avião israelita realizava o primeiro voo comercial de sempre a unir Telavive, em Israel, a Abu Dhabi, na federação de monarquias árabes – numa indicação clara de que Riad abençoava estes acordos, o avião da El Al foi autorizado a atravessar o espaço aéreo saudita, habitualmente vedado aos voos israelitas.

Sabia-se que este processo de normalização, aplaudido por muitos e considerado uma “traição” pelos palestinianos, iria envolver mais países, e o objectivo principal de Washington seria sempre convencer a Arábia Saudita.

Durante o fim-de-semana, o ministro Faisal bin Farhan al-Saud afirmou que o seu país “apoia há muito tempo a normalização com Israel, mas que há uma coisa muito importante que tem de acontecer antes: um acordo de paz total e permanente entre israelitas e palestinianos”.

Actualizado às 15h59 com o desmentido saudita