claudia-dias,salazar,teatro,culturaipsilon,jeronimo-sousa,grecia,
ALÍPIO PADILHA

O fim do mundo num concerto da pitonisa Cláudia Dias

Peça final de um ciclo iniciado em 2016, Sexta-Feira: O Fim do Mundo... ou Então Não, em estreia no D. Maria II, desenvolve-se ao longo de canções em que a artista assume o lugar de pitonisa e observa o futuro.

Cláudia Dias está no cimo de uma estrutura, uma plataforma, que a eleva uns quantos passos acima do chão. Não está num ponto alto o suficiente para que olhe o resto da humanidade com sobranceria ou desligada dos seus destinos; mas guarda uma distância do solo que lhe permite – acompanhemo-la nesta intenção artística – ver o futuro. Cláudia Dias aparece-nos enquanto “pitonisa do século XXI”, descreve a própria em conversa com o Ípsilon. No início do processo de criação de Sexta-Feira: O Fim do Mundo... ou Então Não, numa troca de ideias com o dramaturgo Jorge Louraço Figueira, escolheu “trabalhar sobre a ideia de oráculo”, antecipando um futuro pejado de catástrofes e hecatombes. Toda uma panóplia de acontecimentos que nos são bastamente familiares, das alterações climáticas à digitalização do trabalho, do capitalismo artístico à ameaça nuclear e à ascensão dos novos movimentos fascistas.