Altötting, de Andreas Hykade, é o vencedor do 44.º Cinanima

O Festival Internacional de Cinema de Animação de Espinho, que termina este domingo, entregou ainda o Prémio Especial do Júri a Rivages, da francesa Sophie Racine. Elo, de Alexandra Ramires, venceu a competição nacional.

cultura,espinho,cinema-animacao,cinanima,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
Ältotting foi inspirado na aldeia de nascimento do realizador alemão
cultura,espinho,cinema-animacao,cinanima,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
Rivages, de Sophie Racine
cultura,espinho,cinema-animacao,cinanima,cinema,culturaipsilon,
Fotogaleria
Elo, de Alexandra Ramires

Altötting, de Andreas Hykade, é o vencedor do 44.º Cinanima – Festival Internacional de Cinema de Animação de Espinho. Inspirado na aldeia de nascimento do realizador, que dá título ao filme, Altötting foi criado sobre as memórias de infância de Hykade na localidade alemã cuja Virgem Negra gera há séculos romarias de devotos.

Manuel Mozos, Florence Miailhe e Jayne Pilling, membros do júri que avaliou os 68 filmes da competição internacional, entregaram ainda o Prémio Especial do Júri a Rivages, da realizadora e ilustradora francesa Sophie Racine. Um filme “sobre sensações e uma tempestade numa pequena ilha que desperta todos os sentidos, convidando o espectador a ser curioso e a explorar meticulosamente tudo o que está a acontecer no ecrã”, lê-se no comunicado de anúncio do palmarés do festival enviado à imprensa.

Iniciada no dia 9 de Novembro e com encerramento este domingo, a 44.ª edição do Cinanima foi obrigada a migrar para o online após a declaração do estado de emergência e das novas medidas impostas para conter a pandemia.

Na secção de curtas-metragens, na competição internacional, foram ainda premiados Metro, do russo Valentin Tyuterev, Apfelmus, do austríaco Alexander Gratzer; e Folie Douce, Folie Dure, da francesa Marine Laclotte. O prémio de melhor filme de estudantes foi para White Horse, de Yujie Xu, do Reino Unido. A melhor longa-metragem foi atribuída pelo júri (Jordi Artigas, Louise Mercadier e Sandra Ramos) a The Nose or the Conspiracy of Mavericks, de Andrey Khrzhanovsky.

O júri da competição nacional, formado por Bruno Caetano, Paulo Gomes e Vier Nev, distinguiu com o galardão principal, o Prémio António Gaio, Elo, de Alexandra Ramires, que chegou a Espinho com um currículo já recheado de distinções –— Curtas Vila do Conde, Animatou, na Suiça, Festival Internacional de Cinema de Chicago, nos Estados Unidos.

Entre os 29 filmes da competição nacional foram ainda distinguidos Decapitada, do Colectivo Escola Básica e Secundária Dr. Machado de Matos (na secção para filmes criados por crianças e jovens até aos 18 anos), e Walkthrough, de Sofia Salt (para realizadores entre os 18 e os 30 anos).