lisbon-estoril-film-festival-,cinema,culturaipsilon,festival-berlim,festival-cannes,hong-kong,
Entrevista

Um pedaço da nossa biografia de espectadores: Wong Kar Wai

Um pedaço da nossa biografia de espectadores vai estar em replay com o regresso de cinco filmes de Wong Kar Wai. Do tempo em que ainda havia ajuntamentos em dias de estreia dos últimos filmes de “auteurs”. Mas a nostalgia talvez possa ser surpreendida pela forma como este passado se mostra próximo do nosso presente. Depois do LEFFEST, que começa esta sexta-feira, haverá de novo circuito comercial para os restauros digitais de Disponível para Amar, Chungking Express, Anjos Caídos, 2046 e Felizes Juntos.

Uma altura houve em que Wong Kar Wai não era apenas os olhos da Ásia, era também os óculos da Ásia. Essa história é nossa, de espectadores. Do tempo em que ainda havia ajuntamentos em dias de estreia e muitas vezes não se conseguia melhor do que a desconfortável primeira fila de um cinema para se ver os últimos filmes de um grupo de “auteurs”. Que se podiam chamar também David Lynch ou Lars von Trier. Há muitos anos que se atravessa as cidades sem se ver coisa assim, até porque os cinemas deixaram de se ver.