Sonae duplica vendas online em vários negócios até Setembro

Volume de negócios do grupo cresceu 6% no terceiro trimestre, e 5,9% nos nove meses. Resultado líquido atribuível ao accionista foi negativo em 24 milhões de euros.

Foto
Vendas do Continente cresceram nos últimos meses Nuno Ferreira Santos

Em contexto de pandemia, “o grupo continuou a mostrar um desempenho muito resiliente”, refere Cláudia Azevedo, presidente executiva da Sonae na apresentação dos resultados trimestrais. A CEO destaca o crescimento de 6% do volume de negócios no terceiro trimestre, face a um primeiro semestre muito impactado pela covid-19, período em que o resultado líquido consolidado atribuível ao accionista aumentou 2%, para 51 milhões de euros, em termos homólogos. 

No conjunto dos primeiros nove meses do ano, a Sonae (proprietária do PÚBLICO) registou um volume de negócios consolidado de 4634 milhões de euros, um crescimento homólogo de 5,9%. Já a evolução do EBITDA subjacente ficou-se por 0,3% e o resultado o resultado líquido consolidado atribuível ao accionista foi negativo em 24 milhões de euros, contra lucros de 88 milhões em igual período de 2019.

O resultado líquido reflecte “as contingências contabilísticas registadas no primeiro trimestre e a redução da valorização do portefólio da Sonae Sierra no segundo trimestre, ambas directamente relacionadas com a covid-19”, refere a empresa em comunicado.

A destacar-se pela positiva foi a duplicação das vendas online dos negócios integralmente consolidados, representando “mais de um terço do crescimento de vendas do grupo”. No retalho alimentar, o crescimento do ecommerce superou os dois dígitos, avança o grupo. 

A dívida líquida foi reduzida em 287 milhões de euros, para 1233 milhões de euros, nos últimos 12 meses, e o investimento cresceu 37%, para 376 milhões de euros, “reflectindo a expansão orgânica e aquisições”, que criaram cerca de 500 postos de trabalho.

Por negócios, destaca-se o crescimento de 10% do volume de negócios da Sonae MC (dona da rede Continente) nos primeiros nove meses, “beneficiando dos efeitos de açambarcamento que se verificaram no início da pandemia e da redução do consumo fora de casa durante o confinamento”.

As vendas da Worten cresceram 4,3% nos primeiros nove meses, para 775 milhões de euros, com uma quota de mercado online superior à offline, destaca a empresa. “As tecnologias de informação e pequenos electrodomésticos continuaram com uma elevada procura, impulsionando o crescimento das vendas”, refere o comunicado.

Outros destaques vão para a duplicação das vendas online da Sonae Fashion e o crescimento de 11% dos negócios da Sonae IM, que, já no quarto trimestre, viu a Arctic Wolf, líder em cibersegurança, concretizar um financiamento que se traduz numa avaliação de 1,3 mil milhões de dólares do segundo “unicórnio” da Sonae IM.

Os centros comerciais continuaram a ver os resultados afectados por efeitos da pandemia. “Após o confinamento geral no segundo trimestre, a Sonae Sierra registou tendências operacionais positivas durante o terceiro trimestre, embora ainda abaixo dos níveis pré-pandémicos”, refere avança a empresa, acrescentando que as vendas em Setembro e o número de visitantes ficaram 14% e 22%, respectivamente, abaixo do ano passado. No total, o resultado líquido da Sonae Sierra até Setembro foi de negativo em 20 milhões de euros.