Gonçalo Ribeiro Telles — o sábio da paisagem

Como eu gostaria que o Professor ainda pudesse ver o “seu” jardim da Gulbenkian alargado para o terreno adjacente e também até à Praça de Espanha, que finalmente ficará ligada ao Corredor Verde de Monsanto, como sempre defendeu. De qualquer modo, será zona que vai merecer o seu nome: Jardim Gonçalo Ribeiro Telles.

Gonçalo Ribeiro Telles foi um sábio, com obra feita, que deixou um extraordinário legado e inúmeros seguidores.

Os pinheiros que Gonçalo Ribeiro Telles plantou no Castelo de S. Jorge cresceram e as suas copas, hoje, parece que sempre lá estiveram, o que o levava a dizer-me, por várias vezes, sempre que para lá olhávamos: “– Ó Zé, acertei, não acertei?”

Alguns dos logradouros pelos quais sempre lutou, perderam-se, forma preteridos por quem preferiu as garagens e os armazéns ao solo vivo, às hortícolas frescas, aos aromáticos temperos, aos perfumes das flores e às árvores de fruto que aí nasciam, mas, apesar de tudo, alguns sobreviveram, os da Av. João XXI, com carácter mais público e de lazer ou os de Alvalade que, com muita dificuldade, ainda resistem e que deviam ser, com afinco, preservados.

Dizia que na paisagem rural deveríamos plantar as árvores que sempre aí cresceram, como, aliás, junto aos rios e ribeiros. Já na paisagem florestal era de rejeitar as monoculturas intensivas e de exóticas, sem critério e em solos inadequados para o efeito. É que isso, insistia Ribeiro Telles, não é floresta, porque esta pressupõe, até etimologicamente, uma variedade de espécies.

Aconselhava também mais clareiras, o aprofundamento do conceito da orla, formas de fazer paisagem e elementos contributivos para o menor desperdício da água, da erosão dos solos e para a prevenção de incêndios que naqueles outros povoamentos são mais incontroláveis, frequentes e agressivos.

Ainda quanto às árvores acrescentava que na cidade podíamos adaptar umas e adoptar outras, às vezes até por uma questão estética, pois a sua importância prende-se com muitas outras funções. São sumidouros de poluição, combatem o calor, protegem contra os ventos, dão-nos mais cor e humanizam as nossas vidas, quase como se fosse obrigatório sentir as estações do ano, também na nossa rua.

Homenagem na Gulbenkian a Goncalo Ribeiro Telles arquitecto paisagista e fundador do PPM e Movimento Partido em 2011 Miguel Manso
Jardins da Gulbenkian, uma das obras mais conhecidas do arquitecto daniel rocha
Gonçalo Ribeiro Telles morreu esta quarta-feira Rui Gaudêncio
Nos 50 anos dos jardins do castelo de São Jorge, Gonçalo Ribeiro Telles foi um dos arquitectos que desenhou o jardim em 1959 Shamila Mussa
O Corredor Verde é outro dos projectos mais conhecidos de Gonçalo Ribeiro Telles daniel rocha
Gonçalo Ribeiro Telles em maio de 2002 Adriano Miranda
Gonçalo Ribeiro Telles no jardim da Gulbenkian em 2003 Daniel Rocha
Ribeiro Telles nas hortas da Quinta da Granja de Baixo Carlos Lopes
Com Mário Soares e Maria Barroso na Gulbenkian em 2011 Miguel Manso
Gonçalo Ribeiro Telles Daniel Rocha
Fotogaleria

Como eu gostaria que o Professor ainda pudesse ver o “seu” jardim da Gulbenkian alargado para o terreno adjacente e também até à Praça de Espanha, que finalmente ficará ligada ao Corredor Verde de Monsanto, como sempre defendeu. De qualquer modo, será zona que vai merecer o seu nome: Jardim Gonçalo Ribeiro Telles.

E os projectos idealizados para os denominados Corredores Verdes foram sempre pensados para as pessoas, para unir bairros e fazer ligações óbvias, como a de Campolide até ao rio, a do Parque Keil do Amaral até à Torre de Belém, a do Vale da Ameixoeira, saltando a Calçada de Carriche até à Estrada do Paço do Lumiar, a dos Corredores Orientais que nos levam das Avenidas Novas até Marvila ou até aos Olivais, sem esquecer a “libertação” para o público da frente ribeirinha.

Lembro que o Plano Verde mereceu desde logo a participação, entre outros, de Manuela Raposo de Magalhães, Delgado Domingos (†), Luís Coimbra e, modéstia à parte, de mim próprio, de toda a minha restante equipa que há muito me acompanha e de muitos dos trabalhadores e dirigentes dos serviços da CML.

Hoje fala-se de Hortas Urbanas como uma novidade e uma das medidas de mitigação e adaptação climáticas, mas a agricultura urbana já era um dos pilares do raciocínio do Ribeiro Telles, bem como o de produzir perto do consumo, ligar o campo e a cidade, fazer região.

Muitas conversas tivemos, em algumas referia a importância das sebes, dos sapais, da charneca, da mata, das silvas, dos sítios que no campo servem para a “protecção contra o vento e as geadas, para a defesa da água, para o combate à erosão, para o equilíbrio da biocenose e para a produção de madeiras e lenhas”.

Depois falávamos da lezíria, do montado, do souto, do seu significado cultural e da sua riqueza, e indignávamo-nos, em conjunto, sempre que havia um grande investimento no país e com naturalidade se esqueciam de investir nos caminhos rurais, “balizados e apoiados”, ou no arranjo do sistema viário rural.

Ríamos quando aparecia a conversa de que os ingleses é que tinham inventado o jardim e logo lembrávamos os muito mais antigos Buçaco, Arrábida, Capuchos e Penha Verde, ou até a posterior arte dos beneditinos, por exemplo em Tibães.

Jardins da sede da Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa Daniel Rocha
Jardins da sede da Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa Daniel Rocha
Jardins da sede da Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa Daniel Rocha
Jardins da sede da Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa Daniel Rocha
Jardins da sede da Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa Daniel Rocha
Jardins da sede da Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa Daniel Rocha
Jardins da sede da Fundação Calouste Gulbenkian, Lisboa Daniel Rocha
Mata dos Medos, Almada Daniel Rocha
Mata dos Medos, Almada Daniel Rocha
Mata dos Medos, Almada Daniel Rocha
Mata dos Medos, Almada Daniel Rocha
Mata dos Medos, Almada Daniel Rocha
Mata dos Medos, Almada Daniel Rocha
Mata dos Medos, Almada Daniel Rocha
Bairro das Estacas, Alvalade, Lisboa Rui Gaudêncio
Bairro das Estacas, Alvalade, Lisboa Rui Gaudêncio
Bairro das Estacas, Alvalade, Lisboa Rui Gaudêncio
Bairro das Estacas, Alvalade, Lisboa Rui Gaudêncio
Jardim Amália Rodrigues, Lisboa Daniel Rocha
Jardim da Capelinha de São Jerónimo, Lisboa Daniel Rocha
Mata de Alvalade, Lisboa Rui Gaudêncio
Mata de Alvalade, Lisboa Rui Gaudêncio
Mata de Alvalade, Lisboa Rui Gaudêncio
Mata de Alvalade, Lisboa Rui Gaudêncio
Enquadramento do Castelo de São Jorge, Lisboa Daniel Rocha
Corredor Verde de Monsanto, Lisboa Daniel Rocha
Corredor Verde de Monsanto, Lisboa Daniel Rocha
Corredor Verde de Monsanto, Lisboa Daniel Rocha
Corredor Verde de Monsanto, Lisboa Daniel Rocha
Vale de Chelas, Lisboa Rui Gaudêncio
Vale de Chelas, Lisboa Rui Gaudêncio
Vale de Chelas, Lisboa Rui Gaudêncio
Fotogaleria

Gonçalo Ribeiro Telles morreu esta quarta-feira na sua casa de Lisboa, aos 98 anos.

Obrigatório, era arranjarem-se os miradouros, e afirmava que não podíamos perder as vistas, tínhamos mesmo de lutar por elas. E recuperar, com melhor ligação à malha urbana, o que ele apelidava de jardins monárquicos que, embora apropriados pelos republicanos, o povo ainda mantém os nomes antigos: Estrela (Guerra Junqueiro), Príncipe Real (França Borges), Praça da Alegria (Alfredo Keil), Jardim das Amoreiras (Marcelino Mesquita), Jardim da Parada (Teófilo Braga).

Em todos os antigos e novos jardins e parques, crucial era que as pessoas se apropriassem dos mesmos e, para tanto, era importante que houvesse parques infantis, zonas de estar, mesas, bancos e esplanadas. Foi o que fizemos, principalmente com os quiosques e com os equipamentos de exercício físico. Enchemos de vida a paisagem de Lisboa.

Mas Gonçalo, tal como dantes, apesar deste ano Lisboa ser Capital Verde Europeia, continuamos a correr riscos, porque a muitos interessa menos o aperfeiçoamento e mais a impressão que querem causar no imediato.

Cá estarei, Gonçalo, a tentar lutar pelo que sempre defendeu, sem nunca o esquecer e agradecendo-lhe com a sua sintética frase: Gosto disto.

Um homem de Lisboa