Porto eleito a melhor cidade pequena do mundo pela Monocle. É “um florescente centro criativo”

A cidade portuguesa subiu nove lugares no Small Cities Index da influente revista e lidera o top para 2021, à frente de cidades na Bélgica, Japão ou Suíça. Não faltam elogios.

design,fugas,media,portugal,porto,turismo,
Fotogaleria
Paulo Pimenta
design,fugas,media,portugal,porto,turismo,
Fotogaleria
Paulo Pimenta
design,fugas,media,portugal,porto,turismo,
Fotogaleria
Paulo Pimenta
design,fugas,media,portugal,porto,turismo,
Fotogaleria
paulo pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta
Fotogaleria
Paulo Pimenta

Se ainda há dias recebia o “óscar” de melhor destino europeu para uma escapadinha, agora obtém a distinção de melhor cidade pequena (com menos de 250 mil habitantes) para estar e viver. “O Porto vive ao seu próprio ritmo”, lê-se na revista internacional Monocle, que publicou online o seu novo índex de melhores pequenas cidades para 2021, antecipando a saída na edição em papel de Janeiro.

A lista é composta pelas 20 melhores pequenas cidades do mundo, segundo a equipa da revista, a que se juntam mais cinco menções honrosas. Todas elas, garante-se, são alternativas excelentes às metrópoles e locais onde há “muito espaço para respirar”.

O Porto, que estava em 9.º lugar no primeiro índex do género apresentado pela revista há um ano, subiu para o 1.º lugar nesta nova edição. “Uma cidade pequena, mas com ambições de metrópole”, pode ler-se no artigo da Monocle, influente publicação em matéria de design, cultura urbana e tendências.

“Qualquer tripeiro” poderá listar “rápida e orgulhosamente, todas as razões que tornam a sua cidade tão diferente da capital de Portugal, Lisboa”. É assim que começa o texto que enumera as razões para a escolha do Porto para líder do top.

Referindo-se que tanto Lisboa como o Porto são cidades históricas portuárias “charmosas” com “acesso rápido a boas praias”, salientam-se diferenças: “o Porto vive ao seu próprio ritmo, completamente independente do ritmo de Lisboa"

“Foi sempre o coração financeiro de Portugal, com muitas das indústrias do país sedeadas no seu perímetro”, indica-se, destacando-se que “os portuenses são conhecidos por serem trabalhadores e terem uma atitude directa”, mas “a orientação para o negócio, aqui, não é vivida sacrificando um sentido de comunidade e o desfrutar de um copo de vinho com os colegas ao almoço”. 

O artigo indica ainda a presença de muitos fabricantes da indústria do vestuário e mobiliário, o que “ajudou o Porto a desenvolver-se como um florescente centro criativo”.

O destaque à criatividade portuense passa também por uma grande oferta cultural, incluindo galerias de arte vanguardista, ou pelo facto de muitos designers internacionais procurarem a região para fabricarem as suas peças. E pelo facto de muitos criadores estrangeiros optarem por viverem aqui, dando à cidade uma “sensação cosmopolita".

Entre os elogios, há também grande destaque para o presidente da Câmara. “Liderança forte” é elogio que a revista faz a Rui Moreira, referindo-se que é “muito apreciado pela defesa firme da cidade” e, mais uma vez, com um toque ao Porto-Lisboa: “É sempre rápido a lembrar aos políticos que, embora a sede do Governo seja em Lisboa, que a região Norte de Portugal é o principal contribuinte para a economia do país”. 

A lista da Monocle integra 20 cidades (mais cinco menções honrosas) com menos de 250 mil habitantes que oferecem uma “qualidade incrível de vida” e, realça-se, que “são dirigidas por líderes inteligentes e confiáveis”. A vida nocturna, oportunidades de negócio, população amigável e boas ligações ao mundo são outros dos critérios listados.