Eleições nos EUA. Canais de televisão cortam discurso de Trump: “Só há palavras aqui, não há verdade nenhuma”

Trump começou o seu discurso com alegações de manipulação e “votos falsos”, sem oferecer qualquer justificação, e vários canais de televisão cortaram-lhe a palavra: “Não vamos permitir que continue porque não é verdade.”

Foto
Reuters/CAITLIN OCHS

Donald Trump dirigiu-se aos norte-americanos na noite de quinta-feira e, sem apresentar provas, falou da manipulação do escrutínio e da existência de “votos falsos”. Em resposta, vários canais de televisão — como a ABC, NBC ou a CBS — cortaram a emissão em directo do seu discurso antes do final. A CNN e a Fox News foram dos únicos que continuaram a transmitir o seu discurso sem interrupções.

A MSNBC (da rede NBC) foi um dos canais que cortaram a emissão: “OK. Aqui estamos de novo, na posição invulgar de não só interromper o Presidente dos EUA, mas corrigir o Presidente dos EUA”, justificou o pivô Brian Williams durante a emissão. “Não há votos ilegais de que tenhamos conhecimento, não há uma vitória de Trump de que tenhamos conhecimento.”

Mais tarde, acrescentou: “[O discurso de Trump] não estava baseado na realidade e, neste momento, na situação em que está o nosso país, é perigoso.”

Na CNBC (da mesma rede), o pivô Shepard Smith justificou assim a interrupção: “O que o Presidente dos EUA está a dizer é, em grande parte, absolutamente mentira. E não vamos permitir que continue porque não é verdade.” “Só há palavras aqui, não há verdade nenhuma”, acrescentou.

A CNN, que não cortou o discurso, usou os oráculos para ir apontando as falhas e as incorrecções no discurso do Presidente norte-americano. “Sem qualquer prova, Trump diz que está a ser enganado”, lê-se num deles. A PBS usou a mesma estratégia, com oráculos a desmontar o discurso. 

De acordo com a tese de Trump, se não fossem os “votos falsos”, já teria sido eleito — algo que não é verdade. De acordo com a Associated Press, que tem estado a divulgar as suas projecções para os resultados eleitorais, Trump “ainda não foi declarado vencedor da corrida presidencial” e “nalguns estados ainda é demasiado cedo para declarar” quem ganhou.

Ainda há votos por contar em cinco estados: Pensilvânia, Georgia, Arizona, Nevada e Carolina do Norte. Na Georgia, onde estão a ser contados os votos por correspondência, a diferença entre os dois candidatos é cada vez mais pequena e os restantes estados deverão divulgar os seus resultados ao longo do dia de hoje. Por enquanto, Biden reúne 253 grandes eleitores no Colégio Eleitoral e Donald Trump 214, de acordo com as projecções do The New York Times.