Estudo sugere não haver “alto risco” de covid no futebol

Investigação da Portugal Football School da FPF baseado em tecnologia digital indica que risco de contágio na modalidade é “médio”.

Foto
Segundo o estudo da FPF, o tempo máximo de exposição entre dois jogadores adversários a menos de dois metros foi de seis minutos e meio LUSA/HOMEM DE GOUVEIA

O tempo máximo de exposição de jogadores e árbitros a menos de dois metros de distância entre si, analisados numa partida de futebol, foi de seis minutos. Este é um dos dados retirados de um recente estudo promovido pela Portugal Football School (PFS), da FPF, que sugere que esta modalidade colectiva não é de alto risco de exposição respiratória para a transmissão do covid-19. Um indicador que está em sintonia com a classificação de modalidade de “médio risco” atribuída pela Direcção-Geral da Saúde, em Agosto deste ano.

“As pessoas acabam por pensar ou ter uma concepção de que estão 22 jogadores, mais o árbitro, dentro de um rectângulo, e parece que o contacto é muito permanente e de muita proximidade. Mas quando quantificamos, e foi mesmo esse o objectivo [deste estudo], percebemos efectivamente que não é assim tanto contacto quando comparado com outro tipo de contactos mais sociais”, explicou Bruno Gonçalves, professor auxiliar do Departamento de Desporto e Saúde da Universidade de Évora e um dos membros da equipa de investigadores.

As conclusões foram retiradas através da análise dos resultados da monitorização das dinâmicas de um jogo de futebol, recorrendo a dados de rastreamento, que permitiram avaliar o contacto interpessoal entre os indivíduos em campo. “O tempo máximo de exposição entre dois jogadores adversários que identificámos a menos de dois metros foi de seis minutos e meio”, salientou Bruno Gonçalves.

Estudo feito com base num jogo

No jogo em questão - que não é identificado no estudo, mas que terminou empatado a três golos -, foram analisados os posicionamentos e movimentações dos jogadores e árbitros, através de um sistema com câmaras super-HD e tecnologia de processamento de imagem patenteada. Uma tecnologia que é já utilizada nos campeonatos de Inglaterra, Alemanha, Espanha, Holanda, Liga dos Campeões e nos jogos internacionais organizados pela UEFA e FIFA.

A primeira medida de exposição respiratória, calculada para cada indivíduo, foi baseada no tempo passado a uma distância inferior a dois metros em relação aos restantes. Para o cálculo da segunda medida, foi adicionado à primeira o tempo de exposição à “nuvem” de gotículas respiratórias formada pelo movimento dos outros intervenientes.

As duas medidas de exposição respiratória analisadas, segundo defendem os autores do estudo, podem servir para a identificação imediata de contactos de alto risco de um caso suspeito ou confirmado de coronavírus durante um jogo ou treino, contribuindo para uma intervenção e interrupção de uma eventual cadeia de transmissão. O modelo de análise, baseado na tecnologia digital, poderá ter igualmente um papel essencial na estratificação de risco dos diferentes desportos e actividades físicas no âmbito da gestão das medidas de combate à pandemia.

Nesta investigação da PFS participaram investigadores da Universidade de Évora, Universidade do Porto, Instituto Universitário da Maia, Universidade da Beira Interior e Universidade Nova de Lisboa.