Este ano, as bruxas estão a salvo das chamas em Vilar de Perdizes

Na aldeia de Vilar de Perdizes, em Montalegre, é costume “queimar as bruxas” para afastar os males. Num ano em que o pior mal de todos é uma crise pandémica, as ruas da aldeia mais mística de Portugal não serão preenchidas com festejos esotéricos. No silêncio do vazio fantasmagórico que fica, brilham apenas as abóboras acesas pelos locais que não querem deixar morrer a tradição.

Foto
PAULO PIMENTA

A aldeia conhecida pela sua misticidade não poderá celebrar o dia das bruxas, como é costume. “Este ano, infelizmente, o dia 31 de Outubro não é celebrado”, confirma o presidente da Câmara de Montalegre, Orlando Alves. Entre os locais, o estado de espírito é de resignação com a medida que sabem necessária e que este ano já os tem impedido de celebrar as sextas-feiras 13. Mas mantêm a esperança de que para o ano as festividades possam prosseguir ainda mais fortes.

“Não faz sentido absolutamente nenhum”, afirma o autarca, relembrando que “a partir desta sexta já nem há mobilidade entre concelhos” e que a situação actual do vírus “impõe que haja bom senso”. O presidente da Câmara apela a que se “guardem as energias para que no próximo ano, se assim puder ser, se celebrem todas estas datas com redobrado entusiasmo”. Em relação ao impacto económico do cancelamento da festa, ressalva que se vive “um ano para esquecer” e que só se pode ansiar por um melhor.

Umbelina Moura, presidente da Associação de Defesa do Património de Vilar de Perdizes, responsável pela organização, confirma que se tratou de uma decisão “consensual” por não ser “viável” efectuar qualquer evento. “Pensou-se ainda fazer uma coisa muito restrita pela rua mas depois achámos que isso poderia incentivar as pessoas a estarem juntas e a participarem”, revela. O “ponto alto”, antes da queimada, era sempre a caminhada nocturna com sustos, que mobilizava “sempre acima de mil pessoas pelas ruas da aldeia”, recorda. Umbelina prevê uma noite que “não tem nada a ver” com a festa habitual, embora reconheça o esforço das pessoas em “não deixar morrer a tradição” - “vão continuar a pôr as abóboras nas escadas e varandas com velinhas”, garante. 

O Padre Fontes, grande dinamizador dos festejos e responsável pela queima, admite que “é complicado” mas relembra que se pode assinalar a tradição “sem aglomerados de população”, contrariando a “inércia” ao "colocar a abóbora e máscara à porta de casa”. Conta que está a fazer a sua máscara para decorar a porta ainda antes de sábado. “Em cada freguesia há um lugar onde se juntam as bruxas: um sítio alto da aldeia onde se fazia a fogueira para queimar as bruxas de cada aldeia”, relembra sobre a “identidade cultural da região”. Este ano, por decisão conjunta da Câmara e da Associação não se queimam as bruxas, mas tem fé de que o voltarão a fazer assim que for possível.

David Carvalho, director artístico do grupo de teatro Filandorra, fala pela equipa toda quando diz que "é uma tristeza” passar a noite endiabrada sem as celebrações em que costumam participar. Já contando com a decisão da câmara, nem chegaram a preparar a actuação deste ano. “Temos todos que nos cingir à memória de mais de 20 anos de iniciativas passadas”, ressalva, relembrando que “mesmo em noites de chuva fez-se sempre o cortejo embruxado”. E realça: “o dia das bruxas em Vilar de Perdizes é um momento de sair para a rua, para o imaginário e para o imaterial”. Movendo “3 a 5 mil pessoas”, já se tornou um ritual que unifica a comunidade, conta, tendo-se criado uma “empatia transversal às gerações - das crianças de 3 anos aos velhinhos de 90”. David considera que “é preferível esperar um ano”, já que é um evento de proximidade, onde "não vale a pena substituir por qualquer outra lógica de audiovisual ou de espaçamento”.

Celestino André acompanha a tradição desde a primeira edição, faz parte da Associação que a organiza e costuma participar com “uma barraquinha de artigos alusivos ao evento, como bruxinhas e ímanes”. Confessa que não são muitos os que se aventuram a vender produtos na noite fria nortenha, mas era acompanhado por “meia dúzia de participantes” com “comes e bebes, doces, compotas”. Não liga ao prejuízo pessoal, pois “não era um evento propriamente para fazer muito negócio”. Lamenta mais que se perca o dinamismo na aldeia. É um problema recorrente na localidade, já que não se têm celebrado as sextas-feiras 13 e o Congresso de Medicina Popular teve de ser feito online. “Com estes eventos de rua não há forma de fazer algo sem ser relembrar as antigas edições”, conclui. Uma coisa é certa: na sua casa não vai faltar a abóbora especial que faz sempre, “e mais duas ou três para decorar as escadas e a entrada”.

Embora os festejos da comunidade se perpetuem ao longo dos anos por tradição, o turismo que atrai continua a ser uma importante fonte de rendimentos para a aldeia. Este ano, vários negócios antecipam uma calmaria atípica na noite de 31 de Outubro. Cristina Santos, proprietária do restaurante Larouco que costuma participar nos “Jantares Embruxados” do programa, relembra um ambiente de folia: “havia pessoas de todo o país, e inclusive de Espanha, que vinham visitar a aldeia para se divertirem naquela tarde e noite”. Nesses dias, “todos trabalhavam bem”, conta, assegurando que o cancelamento da festa se irá sentir “bastante” na economia local.

Ainda no centro da aldeia, umas ruas ao lado, fica o restaurante Cabaço, que nas festas passadas “costumava ter as duas salas cheias, com 200 pessoas” e cuja parte de café “trabalhava o dia inteiro”, recorda a proprietária Helena Silva, lamentando a conjuntura actual. “Sem visitantes ou turistas”, o restaurante ainda se está a tentar refazer do impacto “do ano inteiro” causado pela covid-19. Na noite de sábado, a proprietária não conta ver qualquer celebração, “as pessoas têm medo e a coisa está muito complicada”, assegura. Helena acredita que o cancelamento “mexeu bastante com as pessoas”, já que “o halloween era um dos maiores eventos da aldeia”. “Estamos a aguentar o barco conforme podemos mas isto tem um impacto muito grande”, admite. 

Também a Casa da Laborada, alojamento de Turismo Rural na aldeia, "estava sempre cheia” nas celebrações das sextas-feiras 13 ou no dia das bruxas, confirma o proprietário Domingos Barros. Agora, encontra-se de portas fechadas indefinidamente há já algum tempo. A decisão partiu de “não querer contribuir para a propagação do vírus”, explica. Domingos nasceu na aldeia vizinha, Santo André, conhece bem o costume e lamenta que o isolamento, que “já era grande”, se agrave ainda mais sem esta cultura que atraía milhares de pessoas à aldeia.

Texto editado por Ana Fernandes