Covid-19: Governo adia competições desportivas não profissionais

A decisão de suspender todas as actividades desportivas não profissionais implica o adiamento dos jogos das principais provas das modalidades colectivas. Os encontros das ligas profissionais de futebol (I e II Liga) vão ser disputados na mesma.

desporto,portugal,voleibol,hoquei-patins,basquetebol,andebol,
Foto
Diogo Ventura

As federações de andebol, basquetebol, patinagem, voleibol e futebol (devido ao futsal) anunciaram esta sexta-feira o adiamento dos jogos agendados para as datas em que está em vigor a proibição de circulação. Em comunicado, as federações indicam que os encontros de todas as suas provas “não se irão realizar e serão indicadas novas datas oportunamente.

“A decisão de suspender as actividades desportivas não profissionais foi comunicada pelo Governo às federações desportivas esta quinta-feira e apelamos à melhor compreensão de todos no sentido de a cumprir”, pode ler-se na nota conjunta das entidades.

Fora deste lote estão os jogos das ligas profissionais de futebol (I e II Liga), organizados pela Liga Portuguesa de Futebol Profissional (LPFP).

Na quinta-feira as federações estiveram reunidas com o secretário de Estado do Desporto, João Paulo Rebelo, para tentar a realização de jornadas de algumas das competições – em particular das principais provas de cada modalidade – mas esse plano acabou por não ser concretizado.

O adiamento dos jogos acontece devido à proibição da circulação, que vai estar em vigor em território continental entre as 00h de sexta-feira, 30 de Outubro, e as 6h de terça-feira, dia 3 de Novembro, que motiva a “alteração completa da próxima jornada das provas presentemente organizadas pelas 5 Federações”.

A resolução do Conselho de Ministros que entrou em vigor às 00h desta sexta-feira contempla várias excepções, como no caso de deslocações à escola para ter ou dar aulas, assistir a espectáculos ou levar menores aos estabelecimentos, para além de obrigações profissionais devidamente comprovadas. Turistas estrangeiros também podem mudar de concelho, mas apenas para rumarem aos alojamentos em que vão ficar instalados.

Sugerir correcção