Rui Moreira: Descentralização na habitação “é um mito”

Só o “fim do IHRU” e a distribuição das casas pelos municípios poderia ser uma descentralização efectiva, diz Rui Moreira. Mas era preciso dinheiro para isso também. Autarca não acredita na solução

Foto
Rui Moreira diz que fim do IHRU seria única forma de descentralizar a habitação Nelson Garrido

A descentralização na habitação só seria possível com o “fim do IHRU” e posterior distribuição das casas pelos municípios, dando-lhes instrumentos financeiros para isso, defende Rui Moreira. Mas esse é um cenário no qual o autarca do Porto não acredita: “Não acredito na descentralização na habitação. É um mito”, afirma.

Na semana em que foi aprovado o acordo de colaboração com o IHRU, responsável pela aplicação do 1º Direito, o presidente da Câmara do Porto mostra-se optimista quanto ao programa. “Se o 1º direito for um esforço continuado, daqui a três, quatro, cinco anos teremos o problema da habitação resolvido.”

No diagnóstico feito pelo município para desenhar a sua Estratégia Local de Habitação, foram identificadas 3000 famílias a viver em situações indignas. O plano da autarquia para resolver a crise habitacional da cidade tem vários eixos e passa por um aumento da oferta existente. Mas não de bairros: “Precisamos de ter mais habitação pública, não necessariamente social.”

Rui Moreira admite que há, no Porto, pessoas para quem nem a habitação social nem o mercado privado são solução. “É essa crosta que precisamos de resolver”, aponta, referindo-se a quem tem vencimentos demasiado altos para ter casa municipal e demasiado baixos para entrar no mercado. A “urgência”, diz, é preencher essa “falha de mercado”. Como? Sobretudo através dos projectos de habitação acessível e do programa de apoio ao pagamento de rendas, Porto Solidário (que desde 2014 apoiou 4334 famílias).