PAICV reconquista câmara da Cidade da Praia em dia de perdas para o MpD

O antigo partido único subiu de duas para oito câmaras, enquanto o primeiro-ministro Ulisses Correia e Silva viu a sua formação ficar apenas com 14 dos 18 municípios que detinha.

O Presidente Jorge Carlos Fonseca votando este domingo
Foto
O Presidente Jorge Carlos Fonseca votando este domingo FERNANDO DE PINA/LUSA

Quatro anos depois de quase ter desaparecido do panorama autárquico de Cabo Verde, o Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV), o antigo partido único, conseguiu este domingo recuperar parte do pecúlio perdido, passando da liderança de dois municípios para passar a governar oito câmaras, incluindo a mais apetecível de todas, a da capital, Praia.

O Movimento para a Democracia (MpD), o partido do primeiro-ministro Ulisses Correia e Silva, perdeu mais do que a câmara da cidade Praia, terminando o dia sem a liderança em cinco das 18 câmaras que detinha e só a conquista da Ribeira Brava, na ilha de São Nicolau, até agora na mão de independentes, foi uma boa notícia.

Mesmo assim, o MpD continua a ser o principal partido autárquico em Cabo Verde, voltando a ter a mesma relação de forças que tinham anteriormente ao desastre eleitoral do PAICV em 2016.

Com 96,8% das 1.346 mesas de voto apuradas, estas oitavas eleições municipais em Cabo Verde registaram uma taxa de abstenção de 41,6%.

Além da Praia, capital do país, o MpD perdeu para o PAICV, nestas eleições, as câmaras municipais de São Filipe (ilha do Fogo), Tarrafal, São Domingos e Ribeira Grande (Santiago). O MpD manteve as câmaras do Sal, Maio, Brava, São Vicente (perdendo a maioria), Tarrafal (São Nicolau), Porto Novo, Paul e Ribeira Grande (Santo Antão), Santa Catarina (perdendo a maioria), São Salvador do Mundo, São Lourenço dos Órgãos e São Miguel (Santiago).

O PAICV, além de manter as duas câmaras municipais que já detinha, em Santa Cruz (Santiago) e Mosteiros (Fogo), e de conquistar cinco ao MpD, também venceu a câmara da Boa Vista (embora com maioria do MpD na assembleia municipal), que antes estava nas mãos do independente José Luís Santos, que nestas eleições liderou a lista do MpD, tendo sido derrotado.

Fonte da Comissão Nacional de Eleições (CNE) contactada pela Lusa explicou que além de atrasos pontuais na abertura das mesas de voto, a votação decorreu sem incidentes em todo o país.

Sugerir correcção