Obama regressa à campanha para arrasar Trump: “Isto não é um programa de televisão”

Obama voltou à campanha para pedir aos eleitores democratas que votem em massa. Acusou Trump de não levar o cargo de Presidente a sério e criticou-o duramente pela gestão da pandemia. “Nem se soube proteger a ele próprio”.

joe-biden,obama,donald-trump,estados-unidos,america-norte,mundo,
Foto
Barack Obama tem sido crucial na campanha de Joe Biden KEVIN LAMARQUE/Reuters

O ex-Presidente Barack Obama regressou à campanha eleitoral na quarta-feira (madrugada de quinta em Portugal), a menos de duas semanas das presidenciais (3 de Novembro), com um contundente ataque a Donald Trump, o candidato do Partido Republicano.

Falando num comício de apoiantes do seu antigo vice-presidente, Joe Biden, candidato do Partido Democrata, em Filadélfia, Obama criticou ferozmente o seu sucessor na Casa Branca. Sublinhou a retórica divisionista de Trump e o seu hábito de republicar tweets com teorias da conspiração.

“Com Joe e Kamala [Harris], não vão ter que se preocupar com as loucuras que eles [não] vão dizer todos os dias”, disse Obama. “E isso é muito importante. Não vão ter que argumentar todos os dias. Não vai ser tão cansativo”.

Obama, que cumpriu dois mandatos como Presidente e ainda é uma das figuras mais populares do Partido Democrata, arrasou a gestão que Trump está a fazer da crise do coronavírus, notando que o próprio Presidente teve covid-19.

“Donald Trump não vai começar a proteger-nos de um dia para o outro. Ele nem consegue fazer o que é preciso para se proteger a ele próprio”, criticou.

“Isto não é um programa de televisão. Isto é a realidade”, disse Obama, mencionando o passado de Trump como apresentador de um programa de televisão. “E todos nós tivemos que viver com as consequências da incapacidade dele levar este trabalho a sério”.

A presença de Obama em Filadélfia, no estado da Pensilvânia,​ preencheu o vazio da ausência de Biden, que está em casa no Delaware desde segunda-feira, preparando-se para o debate da noite desta quinta-feira com Trump em Nashville, no Tennessee.

O comício em formato drive-in realizou-se no parque de estacionamento do Citizens Bank Park, o estádio de baseball de Filadélfia. Cerca de 280 carros estavam no recinto e foi o maior comício deste género organizado pela campanha de Biden durante a pandemia.

Com a sondagem Reuters/Ipsos a dar a Biden uma vantagem de apenas quatro pontos em ralação a Trump no estado da Pensilvânia, Obama disse aos democratas que devem ser aguerridos. “Têm que ir votar como nunca. Não pode haver qualquer dúvida nestas eleições”.

Os americanos estão, este ano, a votar mais por antecipação do que noutras eleições, havendo já 42 milhões de votos presenciais ou por correio. O voto por antecipação representou 30% do total dos votos nas eleições de 2016, segundo o Election Preject da Universidade da Florida.

Há quatro anos, Obama participou num comício em Filadélfia com a candidata democrata, Hillary Clinton, um dia antes das eleições – Trump venceu na Pensilvânia. Para campanha de Biden, vencer neste estado é prioritário.

Na quarta-feira à noite, Trump mencionou Obama num comício em Gastonia, na Carolina do Norte, sublinhando que Clinton perdeu em 2016 quando teve o apoio de Obama. “Foi o Obama quem mais fez campanha pela Hillary Desonesta, certo?”.

A Carolina do Norte é outro campo de batalha nestas eleições, com as sondagens a mostrarem que vai ser uma corrida renhida. Kamala Harris esteve neste estado na quarta-feira, a mobilizar eleitores em Asheville e Charlotte. Obama venceu ali em 2008, mas perdeu em 2012. Trump venceu em 2016. 

Trump disse que as restrições devido ao coronavírus estão a provocar danos na economia do estado e acusou os democratas e os media por estarem demasiado preocupados com a pandemia.

“Só se ouve covid, covid, covid”, disse o Presidente. “É tudo o que eles dizem porque querem assustar toda a gente”.

O apoio de Obama tem sido crucial para Biden. O antigo Presidente tem participado em sessões de angariação de fundos para os candidatos democratas, e a sua rede de apoios tem sido instrumental para ajudar a campanha a ultrapassar Trump na angariação de fundos. 

A equipa de Biden disse que Obama estará no sábado em Miami a fazer campanha. 

Sugerir correcção