Os primeiros “sinais” do Doclisboa

É a mais arriscada edição da história do Doclisboa, muito diferente, com um programa introdutório que fica aquém dos pergaminhos a que nos habituou.

filmes,cultura,stanley-kubrick,cinema,culturaipsilon,doclisboa,
Fotogaleria
Abertura oficial desta edição do Doclisboa com "Nheengatu" de José Barahona
filmes,cultura,stanley-kubrick,cinema,culturaipsilon,doclisboa,
Fotogaleria
Programa do cinema georgiano, A Viagem Permanente (a decorrer exclusivamente na Cinemateca Portuguesa)
filmes,cultura,stanley-kubrick,cinema,culturaipsilon,doclisboa,
Fotogaleria
Programa do cinema georgiano

O Doclisboa 2020 começa esta quinta-feira, naquela que é a mais arriscada das suas 18 edições, sendo muito diferente: em vez de dez dias em Outubro/Novembro, 60 dias (mais dia menos dia) ao longo de seis meses; seis “estações de paragem” num percurso que se organiza por núcleos temáticos, em vez de por secções tradicionais, este ano sem competições, mas sempre “no escurinho do cinema”.