Giro: João Almeida “pensava mesmo” que ia perder a camisola rosa

Corredor português mostra-se entusiasmado com a “subida incrível” do Passo di Stelvio, agendada para quinta-feira.

volta-italia,modalidades,desporto,ciclismo,
Foto
LUSA/LUCA ZENNARO

O português João Almeida (Deceuninck-QuickStep) admitiu nesta quarta-feira que “pensava mesmo” que ia perder a liderança da Volta a Itália em bicicleta na 17.ª etapa, prometendo agora que vai “lutar” na quinta-feira, numa 18.ª tirada que inclui o imponente Stelvio.

“Pensava mesmo que a podia perder hoje, porque a margem é pequena [de 17 segundos para o holandês Wilco Kelderman, da Sunweb], e estou super-feliz de aguentar mais um dia”, declarou o jovem de 22 anos.

Depois de um dia em que controlou os ataques da Sunweb, de Kelderman mas também do australiano Jai Hindley, terceiro a 2m58s, Almeida segue para novo dia de rosa após anular um ataque do holandês.

“Atacaram, foi um bom ataque, mas sentia-me bem. Depois, só tinha o Fausto [Masnada], e ele colocou um grande ritmo”, explicou.

O também líder da classificação da juventude revelou ainda estar “muito feliz” com a sua prestação “e da equipa”, mostrando “muito orgulho” pelo resultado, prometendo agora “lutar” para prosseguir líder na 18.ª etapa, na quinta-feira, que inclui o “mítico” Passo di Stelvio, uma “subida incrível” de que diz gostar.

“É linda, já a fiz e estou muito entusiasmado. [...] Tenho estado muito feliz com o meu Giro. Se perder a camisola amanhã [quinta-feira], continuará a ser bom. Estou muito orgulhoso da equipa e só tenho a camisola por causa deles”, afirmou.

Com 15 dias de rosa, João Almeida parte na liderança para a 18.ª tirada, que liga Pinzolo a Laghi di Cancano em 207 quilómetros, incluindo duas subidas de primeira categoria, uma delas quase em cima da meta, e uma de categoria especial, o Passo di Stelvio.

Sugerir correcção